Projetos do BE e PCP para combater a exploração laboral baixam à comissão sem votação

Projetos do BE e PCP para combater a exploração laboral baixam à comissão sem votação

Os projetos de lei do BE e do PCP para combater a exploração laboral baixaram hoje à comissão da especialidade, sem votação, por 60 dias.

Esta semana, no debate potestativo pedido pelos bloquistas, o PS tinha-se mostrou-se disponível para, no debate na especialidade, encontrar os “consensos possíveis” em relação às propostas do BE, PCP e PEV para combater a exploração laboral.

“São iniciativas que merecem atenção e acompanhamento do PS e queremos continuar a trabalhar em sede de especialidade procurando os consensos possíveis”, afirmou então o deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro já na reta final do debate que decorreu no parlamento na quarta-feira.

Hoje, quer BE quer PCP apresentaram requerimentos para que os seus projetos lei baixassem à comissão da especialidade, sem votação, pelo prazo de 60 dias, o que foi aprovado por unanimidade pelo plenário.

Os projetos de resolução do PEV para reforço dos meios para combater a exploração laboral e o BE para combater a precariedade e promover a formação e qualificação profissional do trabalho agrícola foram votados e acabaram por ser chumbados.

No debate de quarta-feira, os bloquistas, pela voz do deputado José Soeiro, desafiaram o PS a dar “um passo em frente” nesta lei e assim responsabilizar toda a cadeia que beneficia da exploração laboral, incluindo as empresas agrícolas, criticando a ausência do Governo no debate parlamentar.

Na apresentação da iniciativa, o deputado do BE José Soeiro defendeu que “o dono da exploração agrícola é na realidade não apenas cúmplice, mas o principal beneficiário” dos abusos laborais que acontecem “nas várias ‘odermiras’”, que consideram ser um “modelo de negócio que atropela o território e os direitos humanos”.

Já a deputada Diana Ferreira, do PCP, apresentou o projeto de lei dos comunistas para atribuir título executivo às decisões condenatórias da ACT [Autoridade para as Condições no Trabalho] e alterar o regime processual aplicável às contraordenações laborais e de segurança social.

“Para o PCP, não é só possível como urgente o efetivo combate que traga justiça à vida de milhares de trabalhadores duramente explorados e sujeitos a brutal precariedade. Urge a criação de mecanismos dissuasores destas práticas ilegais e dar aos trabalhadores meios mais eficazes de reconhecimento da relação laboral subordinada através da ação executiva”, disse a deputada do PCP.

Referindo-se especificamente a casos de trabalho forçado, Diana Ferreira disse que o caso de Odemira (que acrescentou que o PCP vem denunciando desde 2012) é “apenas a ponta ‘iceberg'” e que existe em vários setores, agricultura, logística, pesca ou indústria.

Comente este artigo
Anterior Presidente da República promulga diploma sobre tutela de animais de companhia, apesar de dúvidas
Próximo “Não nos resta mais nada, por isso vim para aqui”: em greve de fome há 19 dias, Luís só quer voltar a cultivar amoras na sua quinta

Artigos relacionados

Nacional

ONU critica inação no Pinhal de Leiria

Perito aplaude planos para enfrentar incêndios, mas lamenta o atraso na recuperação de áreas ardidas […]

Últimas

Elaboração do plano da PAC dependente da aprovação dos regulamentos – ministra

A ministra da Agricultura precisou hoje, em Lisboa, que a elaboração do Plano Estratégico da Política Agrícola Comum (PEPAC) estava dependente da aprovação dos regulamentos, […]

Últimas

Município de Silves debateu a escassez de água na agricultura

Reunião promoveu ainda o debate sobre o estado atual do Sistema Aquífero Querença-Silves e a necessidade da implementação imediata de planos de rega mais eficientes e sustentáveis […]