Projeto CV3: A relação do sector Vitícola com o consumidor final – 9 de maio – Dois Portos, Torres Vedras

Projeto CV3: A relação do sector Vitícola com o consumidor final – 9 de maio – Dois Portos, Torres Vedras

[Fonte: INIAV] Prosseguindo a missão do Projeto CV3 – Criação de Valor na Vinha e no Vinho – de divulgar o que é interessante no setor de modo a gerar uma discussão aberta, estimulante e fundamentada à sua volta, apresenta-se o quarto evento do programa.

Nesta ocasião serão expostos alguns conceitos de enquadramento e práticas de gestão que podem ser implementadas pelos protagonistas relevantes do sector, com o objetivo de tornar o sector vitivinícola mais competitivo.

Em primeiro lugar, serão dados a conhecer os projetos de I&D que se desenvolvem no INIAV e que permitem medir as preferências reais dos consumidores através de metodologias da economia experimental. Serão apresentados os resultados de um projeto realizado em colaboração com empresas vitivinícolas nacionais sobre a valorização de inovações sustentáveis pelos consumidores.

Em segundo lugar, voltaremos a utilizar o método do caso, colocando-se os participantes em face de desafios empresariais verídicos. Discutir-se-á o caso Grupo Parras que permite analisar, de forma aberta, os seus problemas reais de competitividade com a geração de alternativas ou críticas às soluções apresentadas.

Teremos depois ocasião de conhecer o UniQode, uma nova ferramenta de proteção de marca, proprietária da INCM, que combina tecnologias que impedem a adulteração do produto, facilitam a sua rastreabilidade e promovem o envolvimento do consumidor. Com aplicação especial no mercado do vinho permite ligar, através de um smartphone e com segurança, qualquer produto ao mundo digital.

O caso:

O Grupo Parras, nascido no final do século passado, teve um crescimento de vendas significativo com um mix de produtos variado que oferece no mercado interno e na exportação, na distribuição moderna e na especializada. Sendo o setor da Vinha e do Vinho muito competitivo e conhecendo-se a existência de tendências que apontam para medidas de restrição do consumo, o caso procura explicar a razão deste desenvolvimento diferencial, mas questiona-se se é possível mantê-lo centrando-se nalgum dos mercados ou segmentos ou expandindo-se para outras regiões, por exemplo.

→ Consulte aqui o programa ←

Comente este artigo
Anterior Fim-de-semana Gastronómico do Cabrito Biológico da Serra do Gerês nos dias 11 e 12 de Maio
Próximo Capoulas promete apoio a agricultores para acesso a água

Artigos relacionados

Eventos

IX Simpósio Internacional do Kiwi – 6 a 9 de Setembro 2017 – Porto

A Associação Portuguesa de Horticultura (APH) organiza, de 6 a 9 de Setembro, no Hotel Ipanema Park, no Porto, o IX Simpósio Internacional do Kiwi. Está confirmada a presença de 220 investigadores e empresários oriundos de 20 países onde a produção de kiwi é mais relevante, […]

Últimas

AEA desenvolve workshop sobre Certificações no Agroalimentar – 23 de Fevereiro 2018 – Amarante

 
Será no próximo dia 23 de fevereiro, pelas 15h00, na Associação Empresarial de Amarante, que irá acontecer mais uma sessão de trabalho, destinada a criar mais dinâmica no sector agroalimentar da região, no âmbito da estratégia da Associação Empresarial de Amarante. Subordinada ao tema “Certificações no Agroalimentar”, […]

Eventos

Programa Tenda Portugal Fresh – Agroglobal 2018

Para além das intervenções da PortugalFoodsAgrocluster RibatejoInovcluster – Associação do Cluster Agro-Industrial do CentroCOTHN e Frutalmente SA no auditório, apresentamos também um Showcooking da responsabilidade da Eng. Joana Mendes | Be-Bio , […]