Projecto Germinar leva jovens com deficiência a trabalhar nas vinhas

Projecto Germinar leva jovens com deficiência a trabalhar nas vinhas

Com o objectivo de promover a integração social de jovens e adultos com dificuldade intelectual e de desenvolvimento, nasceu o projecto Germinar, que passa pela integração dos utentes da Delegação de Valença da APPACDM – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, no trabalho na vinha de forma a promover o seu desenvolvimento pessoal, profissional e emocional sempre em função das competências ajustadas a cada perfil de integração.

Trata-se de um projecto social encabeçado pelo Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde, promovido pelo Soalheiro, desafiado por um casal produtor de uvas que integra o Club de Produtores – a exploração vitícola L’Campo.

O motor central do projecto é António Matos, que para além de produtor de uvas é também técnico superior de Serviço Social e está a fazer o acompanhamento in loco dos jovens que já iniciaram o trabalho nas vinhas.

«O meio laboral é um grande veículo, catalizador da participação social, onde nos podemos sentir integrados como fazendo parte de algo, co-construtores da sociedade/realidade e de nós mesmos, um lugar onde pode emergir o sentimento de autorrealização», defende o gestor da iniciativa, salientando que «este projecto quer fazer germinar este sentimento nas pessoas».

A expectativa é, em breve, desenvolver um produto que possa autossustentar economicamente esta parceria. Pretende-se uma participação colaborante da sociedade, não numa lógica de caridade, mas numa lógica de reconhecimento da qualidade do produto produzido com a participação destas pessoas, que de outra forma não teriam essa possibilidade.

Projeto Germinar (5)

Para a directora da APPACDM – Centro de Valença, Helena Pereira, «este projecto é uma oportunidade de contribuir para o desenvolvimento de um conjunto de competências inerentes ao trabalho feito diariamente na instituição.  Capacitar para o exercício da autodeterminação destes jovens, principalmente focando um sector tradicional da nossa região, fará certamente a diferença no seu futuro». E reforça: «Um vinho que tenha no seu rótulo a génese do trabalho destes jovens, ao ser servido, vai despertar consciências para a igualdade de oportunidades e capacidades e, acima de tudo, consciencializar para a contributo laboral válido que podem dar».

Mas o desafio lançado não fica pelo trabalho na vinha. Os utentes da instituição irão ainda conceber o rótulo e a caixa para o produto final. «O que vamos dar é a energia inicial e ceder a estrutura. A nossa energia é o nosso trabalho. Queremos que o projecto cresça e possa em breve integrar mais gente. É uma obrigação das empresas partilhar o que corre bem com a sociedade. O apoio social deve ser algo inerente à política de desenvolvimento sustentável», afirmam os produtores do Soalheiro.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Cereais – Informação Semanal – 11 a 17 Março 2019
Próximo É na agricultura que mais nascem novas empresas

Artigos relacionados

Últimas

Seguros paramétricos chegam tarde na resposta ao Covid-19

Os paramétricos dariam resposta imediata à falta de liquidez das empresas mas, tal como a vacina neutralizadora do coronavírus, é assunto complexo […]

Últimas

Hortelãos urbanos de Ferragudo recebem formação em Agricultura Biológica

Imprimir
Por • 22 de Maio de 2017 – 18:48

Os 10 utilizadores da horta urbana de Ferragudo têm vindo a receber formação em agricultura biológica, […]

Sugeridas

Secretário de Estado do Ambiente defende aposta na agricultura de precisão

[Fonte: Diário de Notícias] A agricultura de precisão tem de avançar no país, face à necessidade de um uso parcimonioso da água, […]