Produtos biológicos e saudáveis ganham mais protagonismo

Produtos biológicos e saudáveis ganham mais protagonismo

A crescente procura de produtos biológicos e saudáveis motivou o Continente a criar um espaço dedicado a esses produtos nas lojas, denominado de Área Bio e Saudável, que dispõe de mais de 200 marcas e oferece mais de 2.000 produtos.

O novo espaço já está presente em muitas lojas da insígnia, de norte a sul do país, o que significa que os produtos biológicos e saudáveis ganham mais protagonismo e conquistam metros quadrados. A aposta é bem evidente na loja Continente do Centro Comercial Colombo e no Continente de Matosinhos, onde esta nova zona se destaca pela dimensão e por uma decoração rústica, que faz lembrar os ambientes de campo.

O Continente já disponibiliza produtos biológicos e saudáveis há vários anos, mas a constituição da Área Bio e Saudável levou ao alargamento do número de marcas e referências presentes nas lojas, indo ao encontro da crescente procura dos portugueses por este tipo de produtos.

Duas das marcas que agora estão disponíveis nas lojas Continente são a Urtekram e a Rude Health, que, em Portugal, são comercializadas em exclusivo pelos espaços da Sonae MC – Continente e Go Natural.

A Urtekram é uma marca dinamarquesa, fundada há mais de 30 anos por dois empreendedores, que produz alimentos orgânicos e artigos para consumidores com alergias. É a marca biológica número um dos países nórdicos, com uma gama alargada de mais de 180 artigos – leguminosas, molhos e pastas, dos snacks às ervas aromáticas. Por sua vez, a Rude Health é uma marca britânica, fundada por um casal empreendedor, que oferece alimentos e bebidas vegetais biológicas, especialista em pequenos-almoços e momentos de pausa. Uma gama sem açucares adicionados, sem ingredientes artificiais e sem OGM’s.

Declarações:

De acordo com Mónica Valente, da Sonae MC,

a criação da Área Bio e Saudável nas lojas Continente é o reflexo da aposta que estamos a fazer na democratização da alimentação saudável. Queremos facilitar o acesso a este tipo de produtos, porque sabemos que os portugueses estão cada vez mais conscientes do impacto que alimentação pode ter na sua saúde e, por isso, tomam decisões mais informadas e têm mais cuidado com aquilo que consomem. Esperamos que este investimento possa contribuir para uma sociedade mais saudável e para um ambiente mais equilibrado.”

Comente este artigo
Anterior Inovcluster promove produtos agroalimentares portugueses na Dinamarca junto dos principais retalhistas do mercado
Próximo Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo

Artigos relacionados

Últimas

Desafios da agricultura do futuro – projetos diferenciadores no Alentejo – 30 de novembro – Portel

A Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo (DRAP Alentejo) vai realizar, no próximo dia 30 de novembro […]

Nacional

Altice rasga contrato e desiste de enterrar cabos em zonas de incêndio

A Altice Portugal denunciou o protocolo com a IP Telecom (IPT) que visava o enterramento de cabos de telecomunicações por falta de “condições necessárias” […]

Nacional

Greve dos motoristas: agricultores querem postos prioritários em todas as sedes de concelho

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) considerou nesta sexta-feira “fundamental” que sejam assegurados postos de abastecimento prioritários, de gasóleo rodoviário e agrícola, […]