Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo

Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo

[Fonte: ECO]

 Tribunal de Contas Europeu alerta que a execução da despesa no Programa de Desenvolvimento Rural começou ainda “mais lentamente” neste quadro comunitário do que no anterior. A culpa é da complexidade.

A intensão era boa, mas não resultou. A Comissão Europeia gostaria que a execução do Programa de Desenvolvimento Rural, para 2014-2020, tivesse arrancado mais depressa do que no quadro anterior, mas “o novo processo de programação das despesas” neste domínio “é demasiado moroso e complexo”, por isso, a execução da despesa começou ainda “mais lentamente”, conclui o relatório do Tribunal de Contas Europeu divulgado esta terça-feira.

Os auditores são duros na avaliação que fazem. Apesar de elogiarem o objetivo do quadro de assentar numa “abordagem baseada nos resultados”, a realidade é que “os programas aprovados são documentos longos e complexos com insuficiências que irão prejudicar uma ênfase no desempenho e nos resultados”, pode ler-se no documento.

“O planeamento de um novo período depara-se sempre com o problema de ter início antes de ser disponibilizada a informação adequada e pertinente relativa a períodos anteriores”, disse Janusz Wojciechowski, o membro do Tribunal de Contas responsável pelo relatório. “Constatámos que os documentos de programação são demasiado complexos, volumosos e ainda não colocam uma ênfase suficiente nos resultados esperados”, acrescentou o responsável citado num comunicado.

Constatámos que os documentos de programação são demasiado complexos, volumosos e ainda não colocam uma ênfase suficiente nos resultados esperados.

Janusz Wojciechowski

Membro do Tribunal de Contas Europeu

A política de desenvolvimento rural tem por meta tornar a agricultura mais competitiva, assegurar a gestão sustentável dos recursos naturais e alcançar um desenvolvimento equilibrado das economias e comunidades rurais, explica o tribunal. A UE tenciona gastar quase 100 mil milhões de euros neste domínio no período de 2014-2020.

 

Para melhorar o processo de execução das verbas, os auditores do Tribunal de Constas Europeu recomendam que, no futuro, a Comissão:

  • Assegure que as suas propostas desenvolvem a coerência entre cada programa;
  • Simplifique os documentos de programação e reduza o número de requisitos;
  • Colabore com os Estados membros para assegurar que os relatórios de 2019 fornecem informações claras e abrangentes;
  • Defina com maior precisão os vários tipos de indicadores;
  • Efetue o balanço da experiência adquirida com o atual regime;
  • Apresente as suas propostas para a política de desenvolvimento rural pós-2020 em tempo oportuno.

Os auditores recomendam ainda que “o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão ponderem harmonizar a estratégia a longo prazo com o ciclo orçamental da UE e realizar uma análise exaustiva das despesas antes da definição de um novo orçamento a longo prazo”, lê-se no documento.

Comente este artigo

O artigo Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo foi publicado originalmente em ECO

Anterior Reglamento ómnibus: el PE y el Consejo quieren separar el capítulo agrario del resto
Próximo Los eurodiputados proponen “un uso eficiente de los fondos” para frenar la despoblación

Artigos relacionados

Nacional

SIMAB quer envolver comunidade em torno dos mercados de proximidade

[Fonte: Vida Rural]

A Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores (SIMAB) assumiu a coordenação nacional da campanha internacional ‘Love Your Local Market’, uma ação da World Union of Wholesale Markets que, em 2017, envolveu mais de 3000 mercados em 17 países. […]

Nacional

Escola Agrícola recebe conferência sobre “Vinhos da Madeira: História e Notoriedade”

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, através do Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira apoia a Conferência “Vinhos da Madeira: História e Notoriedade” no próximo dia 25 de Julho, a ter lugar no Auditório Engº. […]

Últimas

CAP considera salário mínimo de 600 euros “luta partidária alheia à concertação”

[Fonte: Jornal económico]

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Sousa, disse hoje discordar do aumento do salário mínimo para os 600 euros, reclamado pela CGTP, considerando a proposta uma “luta partidária alheia à concertação social”.
“Essa abordagem do salário mínimo por parte do PCP constitui, […]