Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo

Desenvolvimento rural: Processo de programação é demasiado moroso e complexo

 Tribunal de Contas Europeu alerta que a execução da despesa no Programa de Desenvolvimento Rural começou ainda “mais lentamente” neste quadro comunitário do que no anterior. A culpa é da complexidade.

A intensão era boa, mas não resultou. A Comissão Europeia gostaria que a execução do Programa de Desenvolvimento Rural, para 2014-2020, tivesse arrancado mais depressa do que no quadro anterior, mas “o novo processo de programação das despesas” neste domínio “é demasiado moroso e complexo”, por isso, a execução da despesa começou ainda “mais lentamente”, conclui o relatório do Tribunal de Contas Europeu divulgado esta terça-feira.

Os auditores são duros na avaliação que fazem. Apesar de elogiarem o objetivo do quadro de assentar numa “abordagem baseada nos resultados”, a realidade é que “os programas aprovados são documentos longos e complexos com insuficiências que irão prejudicar uma ênfase no desempenho e nos resultados”, pode ler-se no documento.

“O planeamento de um novo período depara-se sempre com o problema de ter início antes de ser disponibilizada a informação adequada e pertinente relativa a períodos anteriores”, disse Janusz Wojciechowski, o membro do Tribunal de Contas responsável pelo relatório. “Constatámos que os documentos de programação são demasiado complexos, volumosos e ainda não colocam uma ênfase suficiente nos resultados esperados”, acrescentou o responsável citado num comunicado.

Constatámos que os documentos de programação são demasiado complexos, volumosos e ainda não colocam uma ênfase suficiente nos resultados esperados.

Janusz Wojciechowski

Membro do Tribunal de Contas Europeu

A política de desenvolvimento rural tem por meta tornar a agricultura mais competitiva, assegurar a gestão sustentável dos recursos naturais e alcançar um desenvolvimento equilibrado das economias e comunidades rurais, explica o tribunal. A UE tenciona gastar quase 100 mil milhões de euros neste domínio no período de 2014-2020.

 

Para melhorar o processo de execução das verbas, os auditores do Tribunal de Constas Europeu recomendam que, no futuro, a Comissão:

  • Assegure que as suas propostas desenvolvem a coerência entre cada programa;
  • Simplifique os documentos de programação e reduza o número de requisitos;
  • Colabore com os Estados membros para assegurar que os relatórios de 2019 fornecem informações claras e abrangentes;
  • Defina com maior precisão os vários tipos de indicadores;
  • Efetue o balanço da experiência adquirida com o atual regime;
  • Apresente as suas propostas para a política de desenvolvimento rural pós-2020 em tempo oportuno.

Os auditores recomendam ainda que “o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão ponderem harmonizar a estratégia a longo prazo com o ciclo orçamental da UE e realizar uma análise exaustiva das despesas antes da definição de um novo orçamento a longo prazo”, lê-se no documento.

Comente este artigo
Anterior Reglamento ómnibus: el PE y el Consejo quieren separar el capítulo agrario del resto
Próximo Los eurodiputados proponen “un uso eficiente de los fondos” para frenar la despoblación

Artigos relacionados

Nacional

Magos Irrigation Systems quer dinamizar regadio da região Norte

[Fonte: Vida Rural]
A Magos Irrigation Systems inaugurou recentemente uma nova sucursal na região de Mirandela. De acordo com a empresa, o objetivo é “fazer crescer o regadio no Norte do país”.
António Gastão, administrador da Magos Irrigation Systems, […]

Últimas

Sandeman foi a marca de vinho do Porto mais premiada do Mundo em 2017

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Sandeman foi a marca de vinho do Porto mais premiada do Mundo em 2017, no âmbito dos três principais concursos internacionais do sector vitivinícola: Decanter World Wine Awards (DWWA), International Wine Challenge (IWC) e International Wine & Spirit Competition (IWSC). […]

Nacional

92% das frutas e legumes exportados para o Canadá deixam de pagar impostos aduaneiros

[Fonte: Agricultura e Mar]
O acordo comercial entre União Europeia e Canadá (CETA – Comprehensive Economic and Trade Agreement) já foi aprovado pelo Parlamento Europeu e estão em curso todas as diligências para que entre em vigor na sua plenitude. Na verdade, entrou em vigor provisoriamente a 1 de Abril, […]