Produtores querem que preço mínimo do leite ascenda a 37 cêntimos em 2019

Produtores querem que preço mínimo do leite ascenda a 37 cêntimos em 2019

A Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep) defendeu esta quinta-feira que o preço mínimo do leite pago aos produtores deve ascender a 37 cêntimos em 2019, aproximando-se do custo de produção, para colmatar as dificuldades do sector.
“Desafiámos a indústria a transformar e a valorizar mais o leite para reduzir importações […]. E desafiámos a distribuição a seguir o exemplo que adoptou na França e negociar com a indústria transformadora para assegurar aos produtores um preço mínimo de 37 cêntimos”, disse, em comunicado, a direção da Aprolep.

De acordo com os dados do Observatório Europeu do Leite, avançados pela associação, em Outubro, o preço médio do leite fixou-se em 31,1 cêntimos por quilo, cinco cêntimos abaixo do preço médio na União Europeia, enquanto o custo de produção mantém-se superior a 37 cêntimos.

Os produtores desafiaram também o Governo a “avaliar o resultado da rotulagem da origem do leite para verificar porque não chegou ainda valor acrescentado aos produtores e a bater-se a nível europeu por um mercado responsável que impeça futuras crises de excesso de produção”.

Em causa está o aumento da procura do leite, as ajudas da Política Agrícola Comum (PAC) que não compensam a diferença entre o preço e custo de produção, a perda de produtores e a “falta de visão e falta de ambição” no sector.

“Assistimos [em 2018] à implementação da rotulagem da origem do leite, mas ainda não vimos o resultado dessa opção no rendimento dos agricultores. Sentimos um aumento da procura de leite por parte das grandes superfícies comerciais que procuram garantir o abastecimento regular das suas lojas com leite nacional, respondendo assim à preferência dos consumidores, mas continuámos durante todo o ano com preços abaixo dos custos de produção e da média europeia”, afirmou.

A Aprolep indicou ainda que, face às dificuldades do sector, os agricultores têm adiado investimentos e não retiram “um salário digno e compensador do trabalho necessário para o cultivo dos campos” e para o cuidado dos animais.

“A cada ano que passa Portugal perde produtores. Em Agosto já só éramos 4.578, menos 200 que [no período homólogo]. O abandono é mais significativo no continente, onde o número de produtores passou a ser inferior ao número de produtores açorianos desde Fevereiro”, acrescentou.

Segundo a Aprolep, as famílias que resistem têm “cada vez mais dificuldade” em encontrar mão-de-obra para trabalhar no sector e “a situação irá agravar-se à medida que os salários sobem, muito justamente, enquanto o preço do leite ao produtor continua injustamente congelado”.

Em 12 de Dezembro, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, vincou, no parlamento, que o preço do leite pago ao produtor manteve-se estável até Outubro, podendo aumentar com a abertura de novos mercados.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Negócios .

Anterior APROLEP: Desafio 2019 – Aumentar o preço do leite ao produtor
Próximo Juntos por los Bosques denuncia la marginación de los espacios forestales en la PAC

Artigos relacionados

Nacional

São Lourenço do Barrocal. No interior do Alentejo há um hotel que se pode comer

Vinho, vegetais, ervas aromáticas e muita carne são os ingredientes que este ambicioso projeto em Reguengos de Monsaraz consegue criar, transformar e servir aos seus hóspedes. […]

Nacional

Angola lança projeto para monitorizar seca através de dados de satélite

As autoridades angolanas vão passar a monitorizar a seca, que afeta 1,3 milhões de pessoas em quatro províncias do sul de Angola, […]

Nacional

Pastores de “Cabras Sapadoras” vão ser remunerados

O programa agropastoril de Prevenção dos Fogos Florestais, através da Realização de Gestão de Combustíveis “Cabras Sapadoras” vai ser implementado no concelho de Aguiar da Beira. […]