Produtores envolvidos em plano de ação para as alterações climáticas

Produtores envolvidos em plano de ação para as alterações climáticas

O Governo açoriano vai criar um grupo de trabalho, envolvendo as organizações de produtores, para elaborar um plano de ação específico da agricultura e florestas para as alterações climáticas.

“Pretendemos ter nos Açores um plano de ação que ajude a reduzir as emissões de GEE (gases com efeito de estufa) e, ao mesmo tempo, melhore a eficiência das explorações agrícolas e reforce a segurança alimentar”, disse o secretário regional da Agricultura e Florestas.

João Ponte falava na abertura do ‘workshop’ ‘Importância da Agricultura na Alimentação’, organizado pela Associação Agrícola de São Miguel, no Dia Mundial da Alimentação.

Após a criação de um grupo de trabalho técnico que apresentou um conjunto de contributos que a agricultura e as florestas poderão dar para a Neutralidade Carbónica 2050, o secretário regional adiantou que se pretende agora “alargar a discussão num patamar mais político, envolvendo decisores e organizações de produtores”.

Citado numa nota do executivo açoriano, João Ponte explicou que essa discussão visa desenvolver um plano de ação da agricultura e florestas para as alterações climáticas, integrando, desde logo, as medidas do Plano Regional para as Alterações Climáticas e alinhado com a Política Agrícola Comum para o próximo período 2021-2027.

O secretário regional defendeu que a forma de reduzir a pegada ambiental é produzir localmente e consumir produtos locais, daí ser importante sensibilizar os consumidores para optarem por produtos regionais.

“Com este objetivo, lançámos no último ano um conjunto de ‘spots’ de sensibilização e gostaria de anunciar que estamos a ultimar mais sete mini-filmes, com duração de dois minutos cada, que serão divulgados ao longo do próximo ano na RTP/Açores e nas redes sociais”, referiu, frisando que o objetivo é esclarecer e apelar ao consumo das produções regionais, como, por exemplo, os derivados do leite.

João Ponte considerou ainda que para não falhar na alimentação e região “não pode nunca falhar na agricultura”, defendendo que os Açores continuem a apostar na modernização das infraestruturas agrícolas para que se “continuem a afirmar como região de excelência na produção de leite, de carne e de outros produtos na área da diversificação agrícola”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior Florestas no Ambiente não alarma
Próximo Ministra da Agricultura adjudicou 515 mil euros a filho de deputado do PS

Artigos relacionados

Últimas

Cinco meios aéreos e 530 operacionais no combate ao fogo em Tomar

O incêndio que deflagrou no sábado em Tomar, Santarém, já 90% dominado, é combatido por cinco meios aéreos, apoiados por 530 operacionais e 156 meios terrestres, […]

Eventos

Vila Flor festeja o Mundo Rural com concursos pecuários e Seminário Agrícola – 22 de agosto – Vila Flor

O Município de Vila Flor vai dedicar o dia 22 de Agosto ao Mundo Rural. O evento arranca pelas 9 horas com os Concursos Pecuários da Ovelha Churra da Terra Quente e da Cabra Serrana. […]

Últimas

Procuradoria russa diz que dados de fogos florestais na Sibéria foram falseados

Vários dados estatísticos sobre os fogos florestais que nas últimas semanas afetam diversas regiões da Sibéria foram manipulados por autoridades locais, […]