Produtividade das macieiras em níveis historicamente elevados. Pêra mantém produtividade

A floração/vingamento nas macieiras decorreu com condições meteorológicas bastante favoráveis, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), nas suas previsões agrícolas, a 31 de Julho.

O estado vegetativo é em geral bom, com uma considerável amostra de frutos de bom calibre e coloração, estando a colheita para breve nas principais regiões produtoras.

Beira Douro e Távora

Na Beira Douro e Távora, face ao elevado número de frutos por árvore que permaneceram mesmo após a monda química, foi necessário recorrer à monda manual e ao reforço das regas por forma a obter maçãs de calibre comercializável, realça o INE.

Também no Alto Oeste, o rendimento unitário deverá aumentar relativamente a 2018. A única excepção aos aumentos generalizados de produtividade deverá ser a zona do Planalto Mirandês, assolada por uma trovoada, acompanhada de chuva intensa e forte queda de granizo (dia 13 de Julho), que provocou avultados prejuízos nas culturas instaladas.

“Globalmente, prevê-se que a campanha de 2019 seja uma das mais produtivas de sempre, com um rendimento unitário de 23,9 toneladas por hectare, 30% acima da campanha anterior”, avançam as previsões agrícolas do INE.

Pêra mantém produtividade

Na pêra, a produtividade deverá ser semelhante à observada na campanha anterior. Com cerca de 85% dos pomares situados no Oeste, a pêra tende a evidenciar anualmente esta concentração, sobretudo por reflectir as condições meteorológicas e as pressões fitossanitárias que afectam esta zona, sendo muito residual o impacto das variações de produtividade das restantes regiões produtoras.

Assim, acrescenta o INE, após um vingamento irregular, devido às baixas temperaturas nocturnas e à precipitação registadas naquela região em Abril e à ocorrência de focos de estenfiliose no Baixo Oeste, a produtividade deverá manter-se próxima das 13,0 toneladas por hectare (-0,8 toneladas por hectare, face à média das últimas cinco campanhas).

Carga de frutos muito elevada nos pessegueiros

Por outro lado, referem ainda as previsões do INE, já se iniciou a apanha nos pomares de variedades precoces de pessegueiros. A carga de frutos é superior à da campanha anterior e a qualidade média é boa.

Confirmam-se as previsões que apontam para que esta campanha seja a mais produtiva dos últimos trinta e três anos (13,8 toneladas por hectare).

Quanto à amêndoa, com a entrada em produção dos pomares instalados nos últimos três/quatro anos e a aproximação da produção cruzeiro dos plantados há seis/sete anos, regista-se um forte aumento da produtividade global, face à campanha anterior (+60%).

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Tecnologias de Agricultura de Precisão – PRECISAMENTE 2019
Próximo INE prevê aumento de produtividade da vinha de 10% face à última vindima

Artigos relacionados

Nacional

Impugnada adjudicação de limpeza de terreno onde ficará nova cadeia de Ponta Delgada

A adjudicação dos trabalhos de remoção de bagacinas do terreno onde vai ficar o novo estabelecimento prisional de Ponta Delgada, nos Açores, […]

Dossiers

Empresas de vinho do Porto estimam quebra de 25% nas vendas em 2020

A Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP) prevê uma quebra a rondar os 25% nas vendas de vinho em 2020 e equaciona medidas, como a […]

Nacional

Estrada vai cortar terreno do Centro de Experimentação Agrária de Tavira

Em entrevista ao barlavento, Pedro Valadas Monteiro confirma que uma nova estrada vai cortar o Centro de Experimentação Agrária de Tavira […]