Produtividade das macieiras em níveis historicamente elevados. Pêra mantém produtividade

A floração/vingamento nas macieiras decorreu com condições meteorológicas bastante favoráveis, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), nas suas previsões agrícolas, a 31 de Julho.

O estado vegetativo é em geral bom, com uma considerável amostra de frutos de bom calibre e coloração, estando a colheita para breve nas principais regiões produtoras.

Beira Douro e Távora

Na Beira Douro e Távora, face ao elevado número de frutos por árvore que permaneceram mesmo após a monda química, foi necessário recorrer à monda manual e ao reforço das regas por forma a obter maçãs de calibre comercializável, realça o INE.

Também no Alto Oeste, o rendimento unitário deverá aumentar relativamente a 2018. A única excepção aos aumentos generalizados de produtividade deverá ser a zona do Planalto Mirandês, assolada por uma trovoada, acompanhada de chuva intensa e forte queda de granizo (dia 13 de Julho), que provocou avultados prejuízos nas culturas instaladas.

“Globalmente, prevê-se que a campanha de 2019 seja uma das mais produtivas de sempre, com um rendimento unitário de 23,9 toneladas por hectare, 30% acima da campanha anterior”, avançam as previsões agrícolas do INE.

Pêra mantém produtividade

Na pêra, a produtividade deverá ser semelhante à observada na campanha anterior. Com cerca de 85% dos pomares situados no Oeste, a pêra tende a evidenciar anualmente esta concentração, sobretudo por reflectir as condições meteorológicas e as pressões fitossanitárias que afectam esta zona, sendo muito residual o impacto das variações de produtividade das restantes regiões produtoras.

Assim, acrescenta o INE, após um vingamento irregular, devido às baixas temperaturas nocturnas e à precipitação registadas naquela região em Abril e à ocorrência de focos de estenfiliose no Baixo Oeste, a produtividade deverá manter-se próxima das 13,0 toneladas por hectare (-0,8 toneladas por hectare, face à média das últimas cinco campanhas).

Carga de frutos muito elevada nos pessegueiros

Por outro lado, referem ainda as previsões do INE, já se iniciou a apanha nos pomares de variedades precoces de pessegueiros. A carga de frutos é superior à da campanha anterior e a qualidade média é boa.

Confirmam-se as previsões que apontam para que esta campanha seja a mais produtiva dos últimos trinta e três anos (13,8 toneladas por hectare).

Quanto à amêndoa, com a entrada em produção dos pomares instalados nos últimos três/quatro anos e a aproximação da produção cruzeiro dos plantados há seis/sete anos, regista-se um forte aumento da produtividade global, face à campanha anterior (+60%).

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Tecnologias de Agricultura de Precisão – PRECISAMENTE 2019
Próximo Ondas de calor, secas extremas, mais chuva: os verões vão mudar completamente com o aquecimento global

Artigos relacionados

Dossiers

Investigadores de Leiria querem otimizar o processo de obtenção de mel em pó

Otimizar o processo de obtenção de mel em pó, assegurando a estabilidade, qualidade e segurança do produto é o objetivo de um projeto de investigação que está a ser desenvolvido no Instituto Politécnico de Leiria e que recentemente recebeu uma das Bolsas de Ignição do INOVC 2020. […]

Dossiers

Se amplía la lista de plantas que pueden sembrarse en los barbechos melíferos


En aplicación de la normativa vigente, el Fondo Español de Garantía Agraria (FEGA) ha publicado la lista de plantas ricas en polen y néctar que pueden sembrarse en los barbechos melíferos para que estos puedan computarse como superficies de interés ecológico (SIE) en el marco del reverdecimiento de las ayudas de la PAC en 2020. […]

Dossiers

La Xunta pagará en la primera quincena de diciembre ayudas de la PAC por importe de casi 123 millones de euros

El Fondo Gallego de Garantía Agraria (Fogga), organismo pagador de los fondos europeos adscrito a la Consellería de Medio Rural, realizará […]