INE prevê aumento de produtividade da vinha de 10% face à última vindima

O Instituto Nacional de Estatística (INE) prevê um aumento de produtividade da vinha de 10% face à última vindima, segundo avança nas suas previsões agrícolas, a 31 de Julho. Na uva de mesa, a produtividade deverá registar uma redução de 5%.

Explicam os técnicos do INE que, para as vinhas, as condições meteorológicas ao longo da campanha foram, em geral, favoráveis.

Inverno e Primavera secos

O Inverno seco contribuiu para a destruição de muitos oósporos do míldio, sendo que na Primavera, também seca, as condições não promoveram o surgimento de infecções primárias graves.

A floração e a alimpa decorreram sem incidentes e o desenvolvimento dos cachos foi pontualmente condicionado por situações meteorológicas anómalas: escaldões provocados pelo pico de temperatura e vento quente e seco do dia 11 de Julho, principalmente no Vale do Tejo e Alentejo; destruição dos bagos/cachos pelo granizo em Trás-os-Montes, no dia 13 de Julho.

Acrescentam os técnicos do INE que os arrefecimentos nocturnos têm contribuído para avançar com o processo de maturação das uvas, estimando um aumento de produtividade de 10% face à vindima de 2018.

Julho seco

Acrescentam as previsões agrícolas do INE que o mês de Julho caracterizou-se como seco, com um valor médio da precipitação de 5,9 mm, cerca de 43% da normal (1971-2000).

Quanto à temperatura do ar, Julho classificou-se como normal, com picos de temperatura máxima acima da média entre os dias 10 e 12 e na semana de 17 a 24. De notar que este mês foi também caracterizado pela ocorrência de vento, em particular na segunda quinzena e no litoral a sul do Cabo da Roca e zonas altas.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Produtividade das macieiras em níveis historicamente elevados. Pêra mantém produtividade
Próximo Produto com tecnologia brasileira pode reverter dependência externa por adubos fosfatados

Artigos relacionados

Nacional

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Numa altura em que o país tenta recuperar das trágicas notícias que chegaram de Pedrógão Grande, a reforma das florestas é o tema central na conversa com o ex-governante António Serrano, hoje gestor e professor na Universidade de Évora.

Últimas

No Sudoeste, turismo e agricultura podiam viver em paz mas “o paraíso acabou”

Luísa Rebelo teve um terreno perto da Zambujeira que acabou transformado em estufa e há 16 anos explora um turismo familiar que está também rodeado de estufas. Fala do “paraíso” […]

Últimas

Simpósio Agriculture and Food Sustainability: New Climate Change Scenarios – 11 a 13 de outubro – Funchal

A Universidade da Madeira, através do ISOPlexis – Centro de Agricultura Sustentável e Tecnologia Alimentar, e parceiros, têm o prazer de anunciar: Simpósio híbrido intitulado Agriculture […]