Produção recorde de laranja e mais de 1 milhão de hectolitros de azeite foram excepções no ano agrícola 2017/18

A campanha agrícola 2017/2018, marcada pelo decréscimo das principais superfícies agrícolas cultivadas com culturas temporárias e por quebras generalizadas das produções, saldou-se por um crescimento nominal da produção do ramo agrícola, consequência de um aumento de 2,1% dos preços base, divulga o Instituto Nacional de Estatística (INE) na sua publicação Estatísticas Agrícolas – 2018.

Destaque ainda assim para a produção de laranja que atingiu o nível mais elevado desde 1986 e, pelo segundo ano consecutivo, para a produção de azeite acima de 1 milhão de hectolitros.

O défice da balança comercial dos “Produtos agrícolas e agroalimentares (excepto bebidas)” agravou-se nesta campanha, ascendendo a 3 705,8 milhões de euros.

Produção Vegetal

O ano agrícola 2017/2018 caracterizou-se meteorologicamente por um outono quente e extremamente seco ao qual sucedeu um Inverno igualmente seco mas frio. A situação de seca meteorológica, que se verificava desde Abril de 2017, foi ultrapassada por uma primavera muito chuvosa (a terceira Primavera mais chuvosa desde 1931) e fria, refere o INE.

O Verão foi classificado como normal em termos de temperatura e precipitação embora Junho tenha sido o segundo mês mais chuvoso desde 2000 e Agosto o mês mais quente dos últimos 88 anos.

Nos cereais de Outono-Inverno registou-se um aumento de produção (+8,5% face a 2016/2017), numa campanha que registou a menor superfície desde que existem registos estatísticos sistematizados (117 mil hectares).

Nas culturas de Primavera-Verão registou-se uma diminuição generalizada da produção, com particular relevo no tomate para a indústria, cuja produção foi 25,7% inferior à da campanha anterior, em resultado da diminuição da área instalada.

Nos pomares, as quebras de produção também foram evidentes, especialmente nas maçãs (-18,8%) e nas pêras (-19,7%). A produção de vinho atingiu os 5,9 milhões de hectolitros (-10,3%, face à vindima anterior).

Produção Animal

Já a produção total de carne situou-se nas 892 mil toneladas, reflectindo uma variação positiva pouco significativa (+0,2%), quando comparada com a produção do ano 2017. Houve um aumento de 1,7% do total de carne de reses (494 mil toneladas) contrabalançada por idêntico decréscimo (-1,7%) da produção de carne de animais de capoeira, cujo total se fixou nas 382 mil toneladas.

Apresentaram aumentos as carnes de bovino (94 mil toneladas), suíno (383 mil toneladas) e caprino (1,2 mil toneladas) de 3,1%, 1,4% e 2,5%, respectivamente, enquanto a carne de ovino (15,7 mil toneladas) teve uma redução de 0,4%. A produção de frango (306 mil toneladas) teve um decréscimo de 3,6%.

Ovos de galinha

A quantidade de ovos de galinha produzida ascendeu a 143 mil toneladas, 1,1% superior comparativamente a 2017, sendo que 120 mil toneladas corresponderam a ovos para consumo (+1,3% face a 2017).

A produção total de leite apresentou em termos globais um aumento de 1,0%, com o volume de leite de vaca (1 881 milhões de litros) a crescer 1,0%, o leite de cabra a aumentar 8,8% e o de ovelha a decrescer 1,6%, face a 2017.

Produção Florestal

A superfície ardida em Portugal no ano 2018 foi apenas 8,3% da superfície ardida em 2017, não tendo ultrapassado os 45 mil hectares.

No período 2001-2018 os anos 2017, 2003 e 2005 destacam-se como os anos com maior área ardida: 541 mil hectares, 472 mil hectares e 347 mil hectares, respectivamente.

Em 2018, houve uma redução acentuada do número de incêndios rurais no Continente (12.273 incêndios face a 21.006 em 2017), menos 41,3% das ocorrências.

Os dados do 6.º Inventário Florestal Nacional (IFN6) referentes ao ano 2015 mostram que de 2010 para 2015 o total de superfície florestal do Continente aumentou 1,3% (37 mil hectares).

Na superfície florestal arborizada do continente a espécie mais representada em 2015 era o eucalipto, com 25,7% da área arborizada total, seguido do sobreiro com 23,6% e do pinheiro-bravo com 20,6%.

Pode ler o documento completo aqui.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Smurfit Kappa desenha embalagem de e-Commerce para fornecedor de ovos líder no Brasil
Próximo Balanço provisório aponta para 3.700 hectares de floresta ardidos em Vila de Rei

Artigos relacionados

Últimas

Governo aprovou integração de 345 trabalhadores precários dos fundos europeus

O Governo aprovou a integração de 345 trabalhadores precários dos fundos europeus, estando marcada para sexta-feira a formalização do contrato de trabalho de 28 destes trabalhadores, […]

Últimas

DIVA tem candidaturas abertas para apoio à tecnologia digital no agroalimentar, florestal e ambiental

O projecto europeu DIVA, coordenado em Portugal pelo INESC TEC e a Inovisa, tem abertas as candidaturas à 2.ª Call. Este projecto tem como objectivo apoiar o aparecimento e o desenvolvimento de novas cadeias de valor da tecnologia digital com aplicações nos sectores agroalimentar, […]

Nacional

Melhores Queijos de Portugal 2019 já são conhecidos. Lacticôa “arrebatou” o júri

A 11.ª edição do ‘Concurso Queijos de Portugal’, promovido pela Associação Nacional dos Industriais dos Lacticínios (ANIL), contou com 210 queijos inscritos. […]