Presidente da CAP critica falta de interesse dos políticos pela agricultura

Presidente da CAP critica falta de interesse dos políticos pela agricultura

[Fonte: Diário de Notícias]

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) criticou hoje a falta de interesse pelo setor por parte dos deputados no parlamento nacional e europeu, exigindo saber quem serão os responsáveis políticos pela área, em ano de europeias.

Eduardo Oliveira e Sousa, falava aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, após ter reunido com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a quem transmitiu várias preocupações sobre o setor agrícola.
Segundo o presidente da CAP, na reunião com o chefe de Estado, foram abordados assuntos “fortes na agenda do setor agrícola em Portugal”, como “a questão da floresta, muita injustiça envolta do tratamento dos proprietários florestais, medidas que estão a ser equacionadas no âmbito das alterações climáticas, da água”, entre outras.

O dirigente associativo afirmou que houve ainda uma “questão institucional” discutida durante o encontro com Marcelo que tem a ver com o facto de “num ano de eleições europeias” haver “uma enorme falta de saber quem são os interlocutores ao nível do parlamento em Portugal e na União Europeia que vão fazer a ligação e a defesa do setor agrícola”.

“Quem são os deputados dos diferentes partidos que vão tomar a seu cargo a defesa da agricultura, da floresta, do mundo rural português”, questionou Eduardo Oliveira de Sousa, acrescentando que este foi o assunto debatido “com mais veemência com o senhor presidente”.

“Vai haver eleições europeias e nós precisamos de saber quem são as pessoas que vão assumir o papel de defesa do setor agrícola na Europa num ano em que o ‘Brexit’ pode perturbar a forma como vive a Europa, num ano em que se negoceia o novo quadro comunitário, uma nova política agrícola toda essa arquitetura tem de ter especialistas, pessoas muito focadas na defesa da particularidade do setor agrícola em Portugal”, reforçou Oliveira e Sousa.

Apesar de ter sublinhado que a reunião não foi de críticas ao Governo, o presidente da CAP voltou a acusar o Governo de dar “tratamento profundamente errado” à questão da floresta, com “legislação desadequada e análise deturpada” e também à estratégia sobre a água, nomeadamente medidas para enfrentar as alterações climáticas.

Comente este artigo
Anterior MAFDR: Carne de vaca com origem na polónia retirada do mercado
Próximo Ministério da Agricultura anuncia pagamento de 50 milhões de euros

Artigos relacionados

Nacional

Governo dos Açores diz que limites de produção de leite penalizam produtores

[Fonte: Açoriano Oriental]

O secretário regional da Agricultura dos Açores considerou, esta quinta-feira, que a decisão da Unicol de impor limites de produção, com base nos valores de 2018, penaliza o rendimento de produtores de leite da ilha Terceira.

“Muitos deles [produtores] realizaram projetos de investimento para aumento da produção”, […]

Últimas

E se Marine Le Pen ganhar? – Lopo de Carvalho

No passado dia 23 de abril, os Franceses decidiram levar a uma segunda volta de eleições presidenciais dois candidatos muito distintos. No próximo dia 7 de maio, Marine Le Pen e Emmanuel Macron irão encontrar-se para nova disputa eleitoral, mediante a qual será eleito o futuro Presidente de França. […]

Últimas

Costa quer prioridade absoluta a reconstrução a par do esclarecimento das causas do incêndio em Pedrógão Grande

Barreiro, 26 jun (Lusa) – O primeiro-ministro assumiu hoje que, na sequência do incêndio de Pedrógão Grande, as prioridades absolutas são a reconstrução do território atingido e a normalização da vida social, a par do esclarecimento cabal das causas da tragédia.

Esta posição foi assumida por António Costa no final de uma reunião com os presidentes das câmaras do Barreiro, […]