Preços da Madeira em baixa continuada na produção, entravam qualquer “reforma das florestas” mesmo que melhor orientada

Preços da Madeira em baixa continuada na produção, entravam qualquer “reforma das florestas” mesmo que melhor orientada

Porém e apesar das propostas da CNA, Ministério da Agricultura e Ministério da Economia não convocam a PARF para também aí se discutir este assunto.

Mantém-se em forte baixa, anos e anos a fio, o Preço da Madeira na Produção – na Mata ou à entrada da Fábrica – vector económico que tem um efeito de facto estruturante na Floresta Nacional e, em especial até, nas Fileiras do Eucalipto e do Pinheiro e, por consequência, também nos Incêndios Florestais.

A Madeira, (ao alto) na Mata, anda entre 15 e 25 Euros a tonelada (eucalipto – pinho) e à entrada da Fábrica anda entre 35 e 45 Euros a tonelada, neste último caso para a Madeira (eucalipto) dita “certificada” ou com os rolos já descascados

Entretanto, nos últimos anos, a grande Indústria (Celuloses) da Pasta de Papel e do Papel tiveram enormes lucros mas mantiveram em baixa os Preços da Madeira na Produção, aliás Preços comparativamente mais baixos até do que há 30 anos atrás.  Afinal, o tal “mercado” e a “concorrência” só funcionam em favor da grande Indústria das Fileiras Florestais…

Nestas condições, com Preços na Produção de Madeira tão continuadamente baixos e impostos pela grande Indústria das Fileiras, os pequenos e médios Produtores Florestais não obtêm rendimentos para fazerem a chamada “gestão activa” da Floresta e passam de vítimas deste sistema para alegados “responsáveis”, por exemplo, pelos Incêndios Florestais.

Por outro lado, enquanto esta situação anti-económica se verificar, enquanto não aumentarem os Preços da Madeira na Produção, não há “reforma das florestas” que vingue se com ela se pretender, efectivamente, garantir os direitos e interesses – incluindo o direito de propriedade – dos Pequenos e Médios Produtores Florestais e da Floresta Multifuncional (não-monocultural e não-intensiva).

PARF deve discutir o aumento dos Preços da Madeira na Produção

Mas Ministérios da Agricultura e da Economia fogem a convocá-la para isso

Esta PARF, Plataforma de Acompanhamento das Relações das Fileiras Florestais, é um organismo, dito de “concertação”, da tutela do Ministro da Agricultura e do Ministro da Economia e onde se reúnem organizações das Fileiras Florestais Nacionais com representantes de ambos os Ministérios.

Pois apesar dos reiterados apelos da CNA para que esta PARF discuta o aumento dos Baixos Preços da Madeira na Produção, o facto é que os Ministros da Agricultura e da Economia ainda não se mostraram disponíveis para convocar a PARF com esse objectivo, o que já demonstra falta de vontade (ou de coragem) política para também na PARF se fazer uma discussão séria sobre este problema.

Comente este artigo
Anterior Trade agreement during Article 50 timeframe ‘unlikely’, ‘no rush’ on TTIP - Malmström
Próximo Seminário Internacional sobre Organização para a Comercialização – Casos Práticos - 1 de Junho 2017 - Caldas da Rainha

Artigos relacionados

Comunicados

172 milhões de EUR para promover os produtos agroalimentares europeus dentro e fora da UE

[Fonte: CE]
Durante os próximos três anos, serão realizadas 79 campanhas, abrangendo uma vasta gama de produtos, como os produtos lácteos, a azeitona e o azeite e os frutos e produtos hortícolas.
Phil Hogan, comissário responsável pela Agricultura e o Desenvolvimento Rural, […]

Sugeridas

Estão abertas a candidaturas ao Pedido Único

Arranca hoje, 1 de Março,  o primeiro dia de apresentação das candidaturas ao Pedido Único (PU), para o ano de 2017. O período de encerramento é a 15 de Maio de 2017.
A candidatura ao PU 2017 poderá ser efetuada diretamente pelo Beneficiário na Área Reservada do Portal do IFAP, […]

Nacional

Video do discurso do Comissário de Agricultura Phil Hogan – Agri Innovation Summit’2017 – 12 de Outubro 2017 – Oeiras

No contexto da 1ª edição da Agri Innovation Summit’2017, o discurso de Phil Hogan , Comissário  Europeu da Agricultura e Desenvolvimento Rural.