Preço dos produtos locais é obstáculo ao consumo, diz estudo

Preço dos produtos locais é obstáculo ao consumo, diz estudo

Apesar de terem confiança nos produtos locais, os portugueses dizem que o preço continua a ser um entrave ao seu consumo (72%). De acordo com o mais recente estudo do Observador Cetelem, para os portugueses, a origem dos produtos é um dos principais fatores a ter em conta na compra de produtos alimentares (54%), de mobiliário e vestuário (84%), contudo, apenas 52% revelam estar dispostos a gastar mais dinheiro para comprar produtos locais.

O estudo revela que para 94% dos inquiridos, o fabrica de produtos nos respetivos países constitui uma garantia, enquanto que 93% partilha desta mesma opinião relativamente a produtos regionais.

Para 64% dos europeus, os produtos locais são dispendiosos e 72% dos inquiridos portugueses parecem concordar com esta afirmação. No entanto, este aspeto parece não constituir um grande obstáculo ao desenvolvimento do consumo local, com dois em cada três consumidores a indicar que estão dispostos a fazer um esforço financeiro suplementar para comprar produtos locais.

Mais de metade dos inquiridos europeus (58%) consideram aceitável um esforço financeiro entre os 5% e os 10%. Ligeiramente mais contidos, 52% dos consumidores portugueses também estariam dispostos a fazer o mesmo esforço.

Preço e qualidade são os principais ‘influenciadores’ da decisão de compra

O estudo revela ainda quais os principais fatores que influenciam a aquisição de produtos em cinco setores de consumo – vestuário, produtos tecnológicos, alimentação, mobiliário e produtos de higiene e beleza – e existem dois critérios que surgem sempre, independentemente do tipo de produto: preço e qualidade.

“Relativamente aos produtos alimentares e para a grande maioria dos países europeus inquiridos, os critérios de escolha incidem essencialmente no preço (53%), qualidade (51%) e sabor (41%). E os portugueses não são exceção com 62% dos inquiridos a referir o preço, 62% a qualidade (54%) e apenas 30% o sabor. Nos restantes setores, o preço e a qualidade formam um duo sólido como critérios de escolha, aos quais se acrescenta um terceiro critério variável. No caso do mobiliário, o estilo é referido por 44% dos consumidores, imediatamente após o preço e a qualidade, referidos por 70% e 59% dos consumidores, respetivamente”, explica a o Observador Cetelem.

Quanto ao vestuário, o estilo ocupa o terceiro lugar (46%), enquanto o preço é referido por 69% dos inquiridos e a qualidade por 62%. Os portugueses são os que mais importância dão a estes três fatores: preço (84%); qualidade (69%) e estilo (49%).

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Projecto de unidades de recirculação de subprodutos de Alqueva apresentado em Serpa
Próximo Crédito Agrícola prepara prémios para projectos agrícolas inovadores

Artigos relacionados

Nacional

Bombeiros dos Açores recebem pela primeira vez formação no combate a incêndios florestais

O presidente do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) afirmou que o curso de Incêndios Florestais – […]

Últimas

Batata de Portugal já pode ser exportada para o Qatar

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural anunciou hoje, 10 de Abril, a abertura do mercado do Qatar à exportação de batatas. […]

Últimas

Alqueva: o valor da água na produção agrícola, como deve ser poupada e perspectivas futuras

(Artigo publicado na edição de Abril por J. Paulo de Melo e Abreu, ISA & LEAF, Universidade de Lisboa)
O consumo anual de água per capita em Portugal é dos mais elevados da UE e a produtividade económica da água é baixa (EEA, […]