Pouca alimentação saudável e muitos alimentos processados. A explicação para a obesidade e a subnutrição é, muitas vezes, a mesma

Pouca alimentação saudável e muitos alimentos processados. A explicação para a obesidade e a subnutrição é, muitas vezes, a mesma

“De 1975 até hoje a obesidade triplicou. Hoje um em cada quatro adultos vive com obesidade, numa região onde a fome voltou a crescer e afeta 42,5 milhões de pessoas”, alerta o relatório anual das Nações Unidas sobre segurança alimentar e nutrição em 2019.

O apelo para travar essa realidade foi assinado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), sediada em Roma, assim como pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas (WFP).

Para as agências da ONU, é necessário promover uma alimentação adequada, programas de alimentação escolar e a regulação da publicidade e da comercialização de alimentos.

Também pedem maior controlo da qualidade dos alimentos que se comercializam na rua, e da composição de alguns produtos para garantir seu valor nutricional.

Segundo o relatório, a obesidade em adultos afeta sobretudo os habitantes do Caribe, onde a percentagem quadruplicou. “Passou de 6% em 1975 para 25% e afeta 6,6 milhões de pessoas”, ressalta o documento.

Os dados para o conjunto da região também são alarmantes. “O aumento da obesidade é explosivo, afeta 24% da população regional, cerca de 105 milhões de pessoas, praticamente o dobro do nível global, de 13,2%”, advertem as agências da ONU.

O fenómeno “não apenas tem enormes custos económicos, mas também ameaça a vida de centenas de milhares de pessoas”, explicou Julio Berdegué, representante da FAO para a região.

Segundo os dados da ONU, na América Latina e no Caribe a cada ano morrem 600.000 pessoas devido a doenças relacionadas com a má alimentação, como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Batalha contra alimentos ultraprocessados

Na América Latina e no Caribe, o excesso de peso afeta 59,5% dos adultos, cerca de 262 milhões de pessoas, enquanto em nível global a taxa é de 39,1%.

As agências denunciaram também “o aumento preocupante da fome”, que voltou a crescer na região, com mais 4,5 milhões de pessoas a serem privadas de suficiente alimentação diária.

“Em 2018, chegaram a somar 42,5 milhões, o valor mais alto da última década”, apontou o relatório.

O problema acelerou devido, entre outros fatores, à venda de produtos ultraprocessados, o que aumenta a exposição da população a quantidades excessivas de açúcar, sódio e gorduras.

“O consumo de comida rápida cresceu quase 40%. Na América Latina e no Caribe, demasiadas crianças comem pouca comida saudável e muita comida processada”, lamentou Bernt Aasen, diretor regional da Unicef.

“Quase uma em cada cinco crianças menores de cinco anos está subnutrida ou tem excesso de peso, o que a impede de crescer bem. É uma tarefa de todos que a comida saudável esteja disponível e seja acessível para todas as famílias, especialmente as mais vulneráveis”, aponta o documento.

“Para os pobres, é hoje mais caro comer saudável do que comer mal”, lamentam os especialistas, que pedem que as autoridades promovam alimentos saudáveis.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura destaca promoção do «diálogo entre a ciência e a agricultura»
Próximo Governo dos Açores contra eventual corte de 3ME de euros no programa POSEI

Artigos relacionados

Internacional

Meeting the Green Deal objectives by alignment of technology and behaviour

This study explores the prospects of aligning citizens’ behaviour with the objectives of the European Green Deal in the domains of food consumption and […]

Sugeridas

Madeira: Orçamento Regional assume a agricultura como investimento

O Grupo Parlamentar do PSD destacou, hoje, a agricultura e o desenvolvimento rural como um eixo estruturante no desenvolvimento económico e sustentado da Região. […]

Eventos

ESAC recebe ação de informação sobre Política Agrícola Comum – 23 de junho – Coimbra

A Escola Superior Agrária do Politécnico de Coimbra (ESAC-IPC) acolhe, no próximo dia 23 de junho, às 11h00, em formato presencial (Auditório H1) e online, a ação de informação “Agricultura […]