Portugueses não comem tanta fruta como deviam

Portugueses não comem tanta fruta como deviam

Chama-se Maria e foi criada no início deste ano pelo Grupo Luís Vicente, empresa nacional de comercialização de frutas, para “seduzir os consumidores” nos mercados nacional e internacional. Agora, no dia em que se celebra a Alimentação, lança um repto aos consumidores portugueses: a mudança de hábitos alimentares é “urgente”.

De acordo com dados do Eurostat, apesar de 80% dos portugueses consumirem fruta todos os dias, a maioria come apenas uma peça de fruta diária, o que está muito aquém das 3 a 5 peças diárias recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Além disso, segundo a Fundação Portuguesa de Cardiologia, as estatísticas mostram que, a nível nacional, quase metade da população apresenta excesso de peso e que perto de um milhão de adultos sofre de obesidade.

Miguel Barbosa, Diretor Geral do Grupo Luís Vicente, defende que “enquanto grupo português de produção e comercialização de fruta, é nossa missão alertar para os benefícios de uma alimentação saudável, na qual a fruta é uma peça fundamental. A Maria, é a nossa nova marca para a fruta portuguesa, com a qual vamos desenvolver ao longo dos próximos meses iniciativas para promover o maior consumo de fruta, começando com este alerta no Dia Mundial da Alimentação.”

A nutricionista Zélia Santos, presidente do Conselho Executivo do Movimento 2020, um projeto dedicado à saúde alimentar dos portugueses, diz também que “os princípios básicos da Dieta Mediterrânica deviam estar enraizados na nossa cultura, mas a mudança de hábitos de vida, orçamentos familiares reduzidos, horários curtos e o stress diário, levam-nos a recorrer a refeições menos saudáveis.” E acrescenta ainda: “Por isso, neste dia, pretendemos relembrar o básico, e promover o aumento do consumo diário de fruta. Para isso, basta colocar todos os dias na mala 1 maçã e/ou 1 pera, assim como não o esquecer nas lancheiras para as escolas”.

A gama Maria é composta por Pera Rocha, Maçã, Ameixa, Pêssego, Nectarina, Dióspiro e Marmelo.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior 83,5% dos portugueses acreditam ter uma alimentação saudável
Próximo Las CCAA ya pueden abonar los anticipos de las ayudas de la PAC 2019

Artigos relacionados

Últimas

Green Deal: Roteiro de Portugal rumo à descarbonização alinhado com visão europeia

Na análise ao Pacto Ecológico Europeu torna-se claro que existe um total alinhamento ao nível da visão, objetivos e metas de descarbonização entre a Comissão Europeia e Portugal. […]

Nacional

Reviver os Verões passados…

Chegaram os fogos florestais. Mais uma vez vão sair, tal como este, dezenas de comentários nos órgãos de comunicação social e nas denominadas redes sociais, […]

Últimas

Portugal foi o primeiro, agora Costa espera ver aprovado objetivo de neutralidade carbónica na União Europeia em 2050

“Neste momento já só há três países que resistem e sobretudo por questões que têm a ver com a sua própria transição energética”, […]