Pinhal de Leiria: mais de 1000 hectares já foram rearborizados

Pinhal de Leiria: mais de 1000 hectares já foram rearborizados

Já foram rearborizados 1039 hectares de um total de cerca de 2500 do Pinhal do Rei, em Leiria. A notícia foi avançada pelo presidente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Nuno Banza, durante a Comissão da Agricultura e Mar, no parlamento, a requerimento do Bloco de Esquerda.

De acordo com Nuno Banza, já foi retirada a madeira ardida do pinhal, prevendo-se que, até 2022, esteja concluído o processo que inclui a intervenção e beneficiação em 38 quilómetros de rede viária florestal. O presidente do ICNF diz que “a madeira mais valiosa já foi cortada”, reiterando que, desse plano, estão “cumpridos 3600 hectares”.

“O ICNF tem vindo a cumprir com a identificação da madeira no terreno e com o plano de corte. Praticamente toda a madeira identificada como mais valiosa já foi retirada, sendo que a madeira com destino à indústria dos painéis e da energia, considerada de menor valor, será retirada seguindo as indicações da comissão científica, designadamente na orientação de que não deve ser colocada toda no mercado de venda”, explicou Nuno Banza.

O presidente do ICNF garantiu, ainda que, nos 10% de floresta que não ardeu durante os incêndios de 15 de outubro de 2017, já foram realizadas várias intervenções, nomeadamente o controlo de espécies invasoras e a limpeza de gestão de 200 hectares.

Recorde-se que os incêndios de 15 de outubro de 2017 destruíram cerca de 190 000 hectares de floresta, que correspondem a 45% da área ardida em todo o ano de 2017. Segundo o ICNF, em 2018 e 2019, foram executadas ações de rearborização em 1039 hectares. Além disso, estão programados investimentos, entre 2019 e 2022, num total de 4,4 milhões de euros.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Açores investem 168 mil euros em drones para monitorização da floresta
Próximo PJ detém suspeito de ter ateado fogo florestal em Ourique

Artigos relacionados

Últimas

Investigadores estudam os fatores de ‘stress’ em abelhas melíferas

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) estão a colaborar com o grupo MUST-B, criado pela Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar, para estudar o risco integrado […]

Comunicados

UÉ descobre nova espécie de planta

Universidade de Évora (UÉ) descobre nova espécie de planta. A Helosciadium milfontinum, assim foi designada, é uma planta endémica, rara e fortemente […]

Últimas

Webinar: A importância dos charcos para a conservação da biodiversidade, dos serviços dos ecossistemas e mitigação da alterações climáticas – 13 de abril

A importância dos charcos para conservação da biodiversidade, dos serviços dos ecossistemas e mitigação das alterações climáticas […]