Patentes CRISPR | Universidade na Holanda quer tornar a edição de genes acessível a investigadores de países pobres

Patentes CRISPR | Universidade na Holanda quer tornar a edição de genes acessível a investigadores de países pobres

A Universidade de Wageningen, na Holanda, está a oferecer acesso gratuito às patentes CRISPR para uso não comercial.

A Universidade de Wageningen, na Holanda, anunciou recentemente que vai permitir a organizações sem fins lucrativos a utilização gratuita da sua tecnologia de edição de genes, desde que as aplicações não tenham fins comerciais.

Este é um passo importante para tornar mais acessível a investigadores em países em desenvolvimento uma tecnologia com um potencial ainda inexplorado.

A universidade de Wageningen faz parte de um grupo de instituições de investigação que detêm patentes do CRISPR, uma técnica que permite fazer alterações precisas no genoma, em locais específicos. Outras instituições nos Estados Unidos, como o Broad Institute, em Cambridge, e a Universidade da Califórnia, que têm alguns dos maiores portfólios de patentes, também fornecem gratuitamente ferramentas CRISPR e alguma Propriedade Intelectual (IP) para serem usadas por organizações sem fins lucrativos. No entanto, segundo o editorial da revista Nature 597, as universidades, que detêm a maioria das patentes CRISPR, “poderiam fazer mais para facilitar o acesso à tecnologia CRISPR para investigação.”

O mesmo editorial defende que “todas as universidades que detêm patentes CRISPR, bem como financiadores públicos e instituições internacionais, como a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, devem unir forças para que a Propriedade Intelectual no CRISPR possa ser mais acessível e de forma gratuita para investigação, mediante regras claras e transparentes”.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Urge a rápida averiguação dos prejuízos e pagamentos aos agricultores afectados pelo mau tempo
Próximo Produtores temem impacto de campanha alemã contra agricultura intensiva do Alentejo e Algarve

Artigos relacionados

Nacional

Pinhal de Leiria: mais de 1000 hectares já foram rearborizados

Já foram rearborizados 1039 hectares de um total de cerca de 2500 do Pinhal do Rei, em Leiria. A notícia foi avançada pelo presidente do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), […]

Últimas

Madeira: Apicultura em crescimento na Região

São cerca de 300 apicultores e 10 mil colmeias. Humberto Vasconcelos elogia o trabalho que esta a ser feito na Madeira. […]

Eventos