Parlamento Europeu quer que política de coesão permaneça prioritária na UE

Parlamento Europeu quer que política de coesão permaneça prioritária na UE

A política de coesão deve permanecer uma prioridade para a União Europeia (UE) e ser apoiada por um financiamento ambicioso, mesmo à luz das pressões sobre o orçamento comunitário, recomendou, esta terça-feira, o Parlamento Europeu (PE).

O PE, reunido em sessão plenária em Estrasburgo (França), recomendou que as sinergias com outros fundos da UE sejam reforçadas e que seja atraído apoio financeiro complementar através de instrumentos financeiros no quadro da programação plurianual pós-2020.

Não devem ser postos em causa valores como o da solidariedade europeia, que a política de coesão encarna”, afirma o relatório, aprovado em plenário por 488 votos a favor, 90 contra e 114 abstenções.

A assembleia europeia recordou que a política de coesão “constitui a principal política de investimento, crescimento e desenvolvimento da UE”, desempenhando um papel fundamental para garantir e promover investimentos públicos e privados nas regiões.

Os eurodeputados salientaram que a política de coesão é uma das “mais visíveis políticas europeias e a mais importante expressão de solidariedade europeia e de valor acrescentado em todas as regiões”, que visa reduzir as disparidades económicas, sociais e territoriais, promover a convergência e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos europeus.

O relatório do PE centra-se nas regiões com baixo crescimento pertencentes à Itália, a Espanha, à Grécia e a Portugal e nas regiões com baixos rendimentos na Bulgária, Hungria, Polónia e Roménia.

O documento aborda várias questões, como o desemprego, sobretudo dos jovens, o abandono das terras, a governação, a dificuldade de acesso ao crédito, bem como o papel que a agricultura, as pescas e o turismo sustentável desempenham nestas regiões.

O PE nota que muitos dos problemas das regiões mais atrasadas são semelhantes aos das regiões ultraperiféricas.

Os eurodeputados instaram a Comissão Europeia e os Estados-Membros a criarem estratégias, programas e ações específicas para as diversas regiões mais atrasadas com vista a acelerar a sua convergência e assegurar as melhores soluções para a criação de emprego, o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável.

A assembleia europeia reiterou a importância da inovação, da digitalização e da melhoria dos serviços de proximidade (serviços de saúde, sociais e postais) e das infraestruturas para criar um ambiente positivo e um alicerce propício à promoção do crescimento e ao reforço da coesão nas regiões com atrasos de desenvolvimento.

O PE pediu também aos Estados-Membros e às autoridades regionais e locais que apoiem projetos da economia azul e projetos similares, de forma a ajudar as pessoas nas regiões mais atrasadas a desenvolverem fontes de rendimento ambientalmente sustentáveis.

A interação entre empresas, universidades e centros de investigação nas regiões mais atrasadas deve também ser reforçada.

A Comissão Europeia deve, no âmbito do Semestre Europeu, analisar o cofinanciamento nacional e regional ao abrigo dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI), assim como o seu impacto nos défices nacionais, dizem os eurodeputados.

O PE instou também o executivo comunitário a “considerar a possibilidade de rever a relação existente entre a política de coesão e a governação macroeconómica”, sustentando que a relação entre a política de coesão e os processos de governação económica no quadro do Semestre Europeu deve ser “equilibrada, recíproca e incidir sobre um sistema de incentivos positivos”.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, tem repetido que a saída do Reino Unido do bloco comunitário torna inevitável um corte no orçamento das políticas agrícola e de coesão.

A política de coesão representa cerca de um terço do orçamento da UE, sendo implementada através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, do Fundo Social Europeu e do Fundo de Coesão.

Comente este artigo
Anterior Burocracias impedem agricultores de usar ajudas para a seca
Próximo Gerir melhor o seu eucaliptal - 21 de Março 2018 - Odemira

Artigos relacionados

Nacional

Clima fez cair produção de mel. Apicultores queixam-se de quebras de produção até aos 70%.

[Fonte: Correio da Manhã
O mau tempo que se prolongou do início do ano até ao final da primavera teve graves consequências na produção de mel no distrito de Castelo Branco. Os apicultores falam em quebras de produção entre os 40 e os 70 por cento. […]

Últimas

Legislativas. Costa quer Portugal a crescer mais que média europeia durante próxima década

[Fonte: SAPO 24]

“Queremos crescer acima da média europeia, pelo menos, durante a próxima década, para, de uma vez por todas, nos aproximarmos dos países mais desenvolvidos da Europa e não ficarmos a marcar passo ou atrasarmo-nos como andámos durante 17 anos”, […]

Últimas

Crédito Agrícola e a AGROINSIDER associam-se para apoiar a modernização da Agricultura

[Fonte: Gazeta Rural]
O Crédito Agrícola estabeleceu uma parceria com a AGROINSIDER, uma empresa especialista em soluções inovadoras na área da agricultura de precisão, que utiliza tecnologia espacial (informação digital de satélites) para criar conhecimento agronómico aplicável na exploração agrícola.
O protocolo foi assinado ontem por Licínio Pina, […]