Pacto Ecológico Europeu: Comissão adota orientações estratégicas para uma aquicultura sustentável e competitiva na UE

Pacto Ecológico Europeu: Comissão adota orientações estratégicas para uma aquicultura sustentável e competitiva na UE

A Comissão adotou novas orientações estratégicas para uma aquicultura na UE mais sustentável e competitiva. As orientações proporcionam uma visão comum para que a Comissão, os Estados-Membros e as partes interessadas desenvolvam o setor de uma forma que contribua diretamente para o Pacto Ecológico Europeu e, em particular, para a Estratégia do Prado ao Prato. As orientações ajudarão o setor da aquicultura europeia a tornar-se mais competitivo e resiliente e a melhorar o seu desempenho ambiental e climático.

Virginijus Sinkevičius, comissário do Ambiente, Oceanos e Pescas, declarou: «A aquicultura desempenha um papel cada vez mais importante no sistema alimentar europeu. Este setor pode proporcionar uma alimentação saudável com uma pegada climática e ambiental geralmente inferior à de explorações agrícolas em terra. Com as orientações hoje adotadas, queremos fazer da produção aquícola da UE a referência mundial em matéria de sustentabilidade e qualidade, reduzir a nossa dependência relativamente às importações de produtos do mar e criar mais postos de trabalho, especialmente nas regiões costeiras.»

Objetivos das Orientações 

As orientações foram elaboradas em estreita consulta com os Estados-Membros da UE e as partes interessadas, nomeadamente as representadas no Conselho Consultivo para a Aquicultura. Estabeleceram quatro objetivos interligados, a fim de continuar a desenvolver a aquicultura na União:

  • Reforçar a resiliência e a competitividade
  • Participar na transição ecológica
  • Assegurar a aceitação social e a informação aos consumidores
  • Aumentar o conhecimento e a inovação

As orientações propostas também apoiarão o aumento substancial da aquicultura biológica à escala da UE. Como referido no Plano de Ação da Agricultura Biológica publicado recentemente, embora a produção aquícola biológica continue a ser um setor relativamente novo, tem um grande potencial de crescimento.

Ao contrário das pescas, a aquicultura não é da competência exclusiva da UE. Não obstante, atendendo ao papel importante que desempenha na segurança alimentar europeia, no desenvolvimento sustentável e no emprego, a política comum das pescas prevê um sistema de coordenação estratégica da política de aquicultura na UE.

Tal abordagem estratégica é mais pertinente do que nunca, dado o potencial do setor da aquicultura na concretização dos objetivos do Pacto Ecológico Europeu e a necessidade de assegurar a sustentabilidade e resiliência do setor a longo prazo, nomeadamente na sequência da crise de COVID-19. Esses objetivos estão totalmente integrados nas novas orientações estratégicas.

Atentos os desafios com que se confronta o setor da aquicultura na UE e as oportunidades que se lhe oferecem, as orientações propõem ações específicas em vários domínios, incluindo o acesso ao espaço e à água, a saúde humana e animal, o desempenho ambiental, as alterações climáticas, o bem-estar dos animais, o quadro regulamentar e administrativo e a comunicação sobre a aquicultura da UE.

Em particular, a Comissão propõe a elaboração de documentos de orientação pormenorizados sobre boas práticas nos domínios mais importantes, e prevê um mecanismo específico de assistência à aquicultura para apoiar a elaboração desses documentos de orientação, assim como a aplicação das boas práticas neles descritas.

Entre outros objetivos, a Comissão incentiva igualmente os Estados-Membros da UE a incluir o aumento da aquicultura biológica na revisão (em curso) dos seus planos estratégicos nacionais para o setor da aquicultura, bem como a apoiar este tipo de produção aquícola utilizando parte dos fundos disponíveis no âmbito do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos, das Pescas e da Aquicultura (FEAMPA).

Próximas etapas

A Comissão convida os Estados-Membros da UE a considerar estas novas orientações nos seus planos estratégicos nacionais plurianuais para o desenvolvimento do setor da aquicultura, bem como a apoiar o setor no âmbito do futuro Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos, das Pescas e da Aquicultura (FEAMPA) e de outros fundos da UE.

Contexto

Um em cada quatro produtos do mar consumidos na Europa provém da aquicultura. Contudo, a maioria do consumo de pescado e marisco é coberto pelas importações, que representam cerca de 60 % da oferta total. No total, apenas 10 % do consumo de pescado e marisco na UE provêm da aquicultura da UE, o que demonstra que o potencial de crescimento é considerável.

Apesar dessas perspetivas comerciais, a produção aquícola da UE aumentou apenas 6 % desde 2007, atingindo 1,2 milhões de toneladas em volume de vendas e 4,1 mil milhões de EUR em volume de negócios em 2018. A contribuição da UE para a produção aquícola mundial representava, em 2018, menos de 2 % da produção mundial (FAO 2020).

As orientações anteriores, adotadas pela Comissão em 2013, constituem a base dos planos estratégicos nacionais plurianuais dos Estados-Membros da UE para o desenvolvimento de atividades aquícolas no seu território.

Para mais informações

Orientações estratégicas para uma aquicultura sustentável e competitiva na UE

Comunicado de imprensa sobre o Pacto Ecológico Europeu: a Comissão Europeia adota uma nova abordagem para uma recuperação ecológica na economia azul

Relatório económico do Centro Comum de Investigação sobre o setor da aquicultura da UE

Plano de Ação da Agricultura Biológica

Estratégia do Prado ao Prato

Comente este artigo
Anterior Explorações pecuárias poluem um terço dos rios e albufeiras de Portugal
Próximo Live: ENEAPAI 2030 - Estratégia Nacional para os Efluentes Agropecuários e Agroindustriais 2030 - manhã

Artigos relacionados

Dossiers

OGM | ‘Sanduiche’ de genes aumenta a resistência do trigo à ferrugem

Investigadores da Agência Científica Nacional da Austrália (CSIRO) lideraram um estudo internacional para, através de um conjunto cinco genes de resistência, desenvolver trigo com um nível de resistência mais forte […]

Últimas

Descontinuado – Conheça a nossa newsletter mais inovadora – WhatsApp Agroportal

Já pode receber o Agroportal pelo WhatsApp: de manhã é enviada a newsletter com o resumo das notícias sugeridas. Saiba o que fazer, passo a passo. […]

Últimas

GNR apreende cerca de tonelada e meia de pinhas de pinheiro-manso em Benavente

Cerca de uma tonelada e meia de pinhas de pinheiro-manso foi apreendida na sexta-feira, em Benavente, no distrito de Santarém, anunciou hoje a Guarda Nacional Republicana (GNR), […]