PAC pós-2020. Maria do Céu Albuquerque: “não estamos sozinhos na UE. Vamos ter bons resultados”

PAC pós-2020. Maria do Céu Albuquerque: “não estamos sozinhos na UE. Vamos ter bons resultados”

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, vai estar, segunda-feira, dia 18 de Novembro, a partir das 10 horas, no Conselho da União Europeia da Agricultura e Pescas, em Bruxelas. A ministra tem assim o seu primeiro contacto com as negociações da Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020.

E, em declarações ao agriculturaemar.com, Maria do Céu Albuquerque garante que Portugal não está sozinho nesta “guerra” contra a diminuição de apoios comunitários.

“Não estamos sozinhos, há outros Estados-membros que estão connosco. E estou em crer que vamos ter bons resultados, conseguirmos garantir aquilo que é necessário para a promoção da agricultura enquanto factor de competitividade e desenvolvimento social do nosso País”, disse a ministra da Agricultura.

Fundos disponíveis

“Vamos ser claros, se todos nós sabemos que os recursos financeiros são cada vez mais diminutos e é necessário valorizarmos também a actividade por via de outros instrumentos para além dos apoios comunitários, e falo por exemplo, dos instrumentos financeiros. é fundamental que a parte dos apoios que vêm dos fundos comunitários possam ser desenvolvidos  e disponíveis um conjunto de instrumentos financeiros para podermos alavancar o sector”, disse a ministra ao agriculturaemar.com.

PDR 2020

“Temos uma agenda, temos os regulamentos de transição entre o PDR 2020 e o próximo ciclo de investimento em discussão, aquilo que vou continuar a defender é aquilo que Portugal entende ser determinante na garantia das condições para o sector agrícola. A convergência dos apoios directos, a manutenção do pacote financeiro da PAC, para que depois possamos estimular a actividade agrícola para o pequeno agricultor, são estas as condições que vão estar em cima da mesa”, disse Maria do Céu Albuquerque.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar .

Anterior Miranda do Douro investe meio milhão de euros em ecocentro para estudo de cogumelos
Próximo Drones e sondas entram na agricultura de tradição familiar no Alentejo

Artigos relacionados

Nacional

Associação diz que passadiço de Serralves “perturba” e “prejudica” ambiente

Em comunicado, o FAPAS diz não compreender “qual a justificação para perturbar o Parque de Serralves com a estrutura recreativa” e questiona “qual a justificação para o pagamento através do Fundo Ambiental”, […]

Sugeridas

Área contaminada com Xylella alastra

Foram identificadas mais plantas com a bactéria Xylella fastidiosa durante uma nova prospeção efetuada pelos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) no jardim do Zoo de Santo Inácio, […]

Últimas

Seminário sobre o Brexit na Frutitec

Agenda, Destaque Agenda

O seminário “Brexit: impactos, desafios e oportunidades” […]