Os EUA são, atualmente, o principal fornecedor de soja da UE, com uma quota de 52 %

Os EUA são, atualmente, o principal fornecedor de soja da UE, com uma quota de 52 %

Na sequência do seu encontro em Washington a 25 de julho, os presidentes Juncker e Trump emitiram uma declaração conjunta UE-EUA, na qual as duas partes acordaram intensificar as trocas comerciais em vários setores e produtos, nomeadamente soja.

Com vista a acompanhar a evolução do comércio de soja, o presidente Juncker criou um mecanismo de informação, segundo o qual as importações provenientes dos Estados Unidos aumentaram 133 %, em comparação com o mesmo período do último ano (entre julho e meados de setembro de 2017).

O comissário responsável pela Agricultura, Phil Hogan, declarou: «Congratulo-me com os mais recentes dados sobre o comércio, que mostram que estamos a concretizar o compromisso assumido pelos presidentes Juncker e Trump no sentido de aumentar as trocas comerciais, especialmente no que diz respeito à soja. Esta situação reflete tanto a longevidade das nossas relações comerciais como o potencial para alcançar muito mais, ao trabalharmos em conjunto para aprofundar essa relação.»

Os dados atuais mostram que as importações de soja dos EUA para a UE têm vindo a aumentar continuamente ao longo das últimas semanas:

  • Em comparação com as 12 primeiras semanas da campanha de comercialização de 2017 (de julho a meados de setembro), as importações para a UE de soja proveniente dos Estados Unidos registam um aumento de 133 %, alcançando 1 473 749 toneladas. Aquando da publicação do primeiro relatório, em 1 de agosto de 2018, que abrangeu as primeiras cinco semanas da campanha de comercialização em curso, as importações ascenderam a 360 000 toneladas, o que corresponde a um aumento de 280 %, numa base anual;
  • Em termos do total de importações de soja para a UE, a quota dos EUA é agora de 52 %, em comparação com 25 % no mesmo período do último ano. Esta situação coloca os EUA à frente do Brasil (40 %), o segundo fornecedor da UE, seguidos pelo Canadá (2,3 %), o Paraguai (2,3 %) e o Uruguai (1,7 %).

Contexto

Atualmente, a UE importa cerca de 14 milhões de toneladas de soja por ano como fonte de proteínas para alimentação animal, incluindo galinhas, suínos e bovinos, bem como para a produção de leite. Graças aos seus preços competitivos, a soja proveniente dos EUA constitui uma opção de alimentação animal muito atrativa para os importadores e utilizadores europeus.

Os dados incluídos no relatório sobre a soja que foi hoje publicado provêm do Observatório do Mercado das Culturas, que a Comissão Europeia lançou em julho de 2017, a fim de partilhar dados e análises de curto prazo sobre o mercado, garantindo uma maior transparência.

Para mais informações

Declaração conjunta UE-EUA

Relatório sobre o comércio de soja entre a UE e os EUA

Observatório do Mercado das Culturas

Anexo

 Imagem 1

Imagem 2

Imagem 3

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Comissão Europeira.

Anterior Oferta de emprego - Eng. Florestal ou Agrónomo
Próximo Governo proíbe caça em áreas percorridas pelo incêndio de Monchique

Artigos relacionados

Comunicados

CATAA recebeu 5ª edição da Academia do Centro de Frutologia da Compal

O Centro de Apoio Tecnológico Agro-Alimentar, de Castelo Branco, recebeu no passado dia 8 de junho de 2017, uma sessão orientada para empreendedores frutícolas, […]

Nacional

Jaime Gómez-Arnau é o novo chairman da sapec agro business

Jaime Gómez-Arnau foi nomeado, desde  15 de Fevereiro de 2018,  o novo Chairman do Conselho de Administração da Sapec Agro Business reforçando a empresa no seu caminho de internacionalização e crescimento global, […]

Comunicados

ON THE TRADE FRONT UNCERTAINTY IS THE NEW NORM

What can we expect with regard to the impact of trade issues on the EU agri-food sector till the end of the year? […]