Os desafios do sector agro-pecuário no atual processo legislativo

Os desafios do sector agro-pecuário no atual processo legislativo

Nos últimos anos os movimentos animalistas têm dominado, diversificado e aperfeiçoado os seus métodos de publicitação e propagação dos seus ideais. Recorrendo às redes sociais e ao impacte das mesmas, a filosofia vegan e da autoproclamada defesa do bem-estar animal tornou-se viral e cada vez mais entra no nosso quotidiano e dos meios de comunicação de uma forma geral, passando a ser um ato socialmente aceitável e na sua maioria fundamentado e direcionado ao quotidiano dos animais de companhia, pese embora as inconsequentes tentativas de humanização dos animais e do seu desfasamento do relacionamento com o Homem com base na sua funcionalidade.

Sendo a abrangência social e a assunção da realidade um fator relativamente consensual no que concerne aos animais de companhia, a tentativa de alargamento desses ideais para os restantes animais, e nomeadamente para os animais de produção, tem vindo a ser imposto como um processo “politicamente correto” no panorama legislativo nacional e europeu. Situação que apenas tem acolhimento pela forma dissimulada como as condicionantes e proibições têm sido apresentadas e pelo crescente afastamento das sociedades e de parte da classe política face ao mundo rural.

Em Portugal, o corrente processo legislativo no decorrer dos últimos dois anos tem sido fértil em tentativas de limitação do sector agro-pecuário, com diversificadas propostas mais ou menos imponderadas ou mesmo inaceitáveis na sua fundamentação irreal das atividades pecuárias. No entanto, todas elas ou a clara maioria, são apresentadas de uma forma astuciosa e numa estratégia de “step-by-step” em que se tentam atingir ideais com base no desconhecimento ou na desatenção, em que o claro e profícuo reconhecimento de alguns sectores políticos com os sectores agrícolas e pecuários tem permitido que as diversas ações tentadas tenham tido uma clara e inequívoca tomada de posição contrária da maioria do parlamento face a estes ataques animalistas.

No rol de propostas de lei e de iniciativas legislativas temos exemplos já apresentados na Assembleia da República como as tentativas de proibição de criação de raças puras ou da utilização de processos de reprodução com recurso a técnicas artificiais, como a inseminação artificial. Ambas chumbadas em sede de comissão parlamentar.

Mas correntemente encontram-se em análise no Parlamento propostas de legislação sobre o estabelecimento de um estatuto jurídico do animal, ou do alargamento do regime sancionatório dos maus tratos a animais de companhia a todos os animais, onde se incluem os animais de produção.

Ambos os processos, e nas diversas propostas em cima da mesa e em discussão, apresentam-se situações dúbias no que concerne aos termos e abrangência das condicionantes e proibições propostas, que de um modo simplificado podem tornar realidade que uma análise judicial ou policial, mais ou menos familiarizadas com o mundo rural, com as suas atividades económicas e práticas culturais, possa decidir se o direito de propriedade sobre um animal confere, ou não, ao seu proprietário o direito de manter inúmeras formas de maneio animal, sendo por exemplo, da sua análise subjetiva, se a colocação de uma vacada num curral de tratamento ou a tosquia de ovelhas, constituem, ou não, dor ou sofrimento para o animal, com a consequente aplicação de penas de prisão para os envolvidos naqueles que são os métodos de maneio natural do mundo rural.

Num contexto europeu verifica-se a aplicação do já referido processo do “politicamente correto” na futura proibição, a curto prazo, da castração de porcos na União Europeia com base em critérios de suposto bem-estar animal que irão modificar e pôr em causa todo um sector, que em nada se coadunam com a realidade das necessidades de maneio e qualidade da carne, com a agravante da sugestão, expressa no documento de suporte a estas mesmas recomendações, de que a esterilização cirúrgica com o recurso a sedação ou analgesia não seja de todo uma opção alternativa num futuro próximo.

Os sucessivos ataques à indústria leiteira, com a apresentação facciosa de vários estudos que tentam passar uma imagem de que o leite é prejudicial aos humanos, tem vindo a constituir também uma forma de pressão contra este sector.

Mais atual, surge a nova campanha da associação animalista PETA que tenta impor junto das entidades e sociedade do Reino Unido o fim da tosquia de ovinos. Ação apenas fundamentada no fundamentalismo de uma ideologia que se tenta impor com base no desconhecimento e ridículo, desfasando-se da realidade em que a tosquia se coloca não só como um fator económico, mas como um fator de bem-estar para o próprio animal.

Todos estes ataques diretos e indiretos esbarram na irrealidade e na incoerência de um princípio vegan contra o qual se impõe a continuação de estratégias de fundamentação e elucidação perante os políticos e a sociedade em geral.

Mas trata-se de um processo contínuo, em que um pequeno detalhe, ou a constante tentativa de equiparação dos animais de companhia a animais pecuários, ou cuja funcionalidade divirja da realidade conhecida em ambiente urbano, transforma-se numa forma de ataque a todo um sector, que deve sim continuar a modernizar e otimizar os seus processos e formas de maneio com uma real visão do bem-estar animal, tal como impostas pelos diversos regulamentos europeus e nacionais, e não ser alvos de tentativas de imposição legislativa cujos impactes diretos e indiretos tendem a colocar em risco todo um sector agro-pecuário.

Presidente da Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade

Presidente da Plataforma Sociedade e Animais

Comente este artigo
Anterior CDS já tem candidato à câmara de Évora
Próximo PDR2020 - Período de apresentação de candidaturas para operação 3.2.1. Investimento na Exploração Agrícola

Artigos relacionados

Noticias PAC pos 2020

Subsidiariedade? Capoulas receia que seja ‘cavalo de Tróia’ para desmantelar PAC

O ministro da Agricultura disse, esta segunda-feira, em Bruxelas que Portugal é contra um aumento excessivo do princípio da subsidiariedade no futuro da Política Agrícola Comum (PAC), por recear que seja um “cavalo de Tróia” para desmantelar definitivamente esta política “estratégica”.
Em declarações aos jornalistas à margem de uma reunião de ministros da Agricultura da União Europeia, […]

Opinião

Matéria Orgânica do Solo e Ambiente – Manuel Chaveiro Soares

Portugal é deficitário em carne de bovino e de suíno, e, simultaneamente, a maioria dos solos agrícolas é pobre em matéria orgânica e, por conseguinte, dotada de baixa fertilidade; mas, para se elevar a produção de carne terão de se produzir mais efluentes pecuários, que poderiam elevar a produtividade dos solos. […]

Internacional

Member states attack Commission over WTO domestic support plans

The European Commission has come under fire from national ministers of agriculture for its joint paper with Brazil proposing a fresh approach to imposing multilateral limits on domestic agricultural support.