Os amigos do ambiente gostam de passear no campo ou nas redes sociais? – José Maria Vieira Martins

Os amigos do ambiente gostam de passear no campo ou nas redes sociais? – José Maria Vieira Martins

Não devemos tomar decisões com base em fundamentalismos vindos das redes sociais e na desinformação acerca do mundo rural, pois há alternativas, reais e sustentáveis, para os problemas ambientais

Hoje tenho a sorte de estar a passear pelo Saldanha. Enquanto caminho descontraidamente, penso na sorte que tenho em estar aqui, a passear em pleno centro da cidade, longe dos incautos bovinos que insistem em poluir o nosso planeta, por constantemente deixarem fugir incontáveis flatulências. E longe, bem longe dos malfadados olivais intensivos que destroem o nosso Alentejo, destruindo a identidade e paisagem, ávidos sorvedouros de água do nosso querido, e tão histórico, Alqueva.

Apesar de ser apenas uma paródia, a verdade é que existe hoje uma necessidade cada vez maior de optimizar a agricultura. Existem cada vez mais pessoas para essa agricultura alimentar, cada vez mais concentradas nas cidades.

É uma impossibilidade matemática: face ao número de pessoas que actualmente habita nas cidades um pouco por todo o mundo, como poderia a agricultura não ser super intensiva, industrializada, mecanizada e optimizada? Existem hoje, é um facto, alternativas para produzirmos os nossos próprios alimentos, tais como a producónica, as hortas comunitárias e até pequenos vasos em casa. E sim, elas resultam em alimentos mais saudáveis e alguma poupança na carteira. Porém, a sua expressividade será sempre reduzida e pouco contribuem para alteração significativa do rumo da agricultura mundial.

Qual o cenário alternativo? Podemos abraçar uma agricultura mais sustentável, mas industrializada e de larga escala. Claro, mas nesse caso abracemos também as consequências: alimentos com menor capacidade de conservação e mais caros; compras de menor volume, mais deslocações (a pé de preferência), a um custo mais elevado. Talvez não seja para todos…

Aliás, as praças e os mercados estão a desaparecer; preferimos comprar tudo de uma vez (compras para o mês se pudermos, feitas online e com entrega em casa, enquanto passamos o dedo pelo Instagram). É o constante desenvolvimento, mecanização e melhoria da agricultura que permite, agora como no passado, esta distribuição em escala a menor custo, financeiro e mesmo ambiental.

Podemos melhorar e gastar menos recursos ambientais? Sem dúvida! Não sou daqueles que pensa que “está sempre tudo bem”. Quero apenas lembrar que quem mais se preocupa com o ambiente é quem dele depende, nele vive e trabalha — e não quem tem mais publicações nas redes sociais…

Existe muita coisa a melhorar no ambiente, na agricultura, na pecuária, na caça, na pesca, em geral existe muita coisa a melhorar no mundo. Agora, não devemos tomar decisões com base em fundamentalismos vindos das redes sociais e uma desinformação acerca do mundo rural e as alternativas, essas sim reais e sustentáveis, para os problemas ambientais.

Não podemos achar que resolvemos os problemas do país comprando em mercados de produtos biológicos como programa chic de sábado à tarde e os problemas dos outros países e continentes com longos posts no Facebook sobre as suas “barbaridades” contra o ambiente. Os Romanos somos nós, temos o dever de instruir e civilizar.

Proponho pois que troquemos o campo dos comentários por um passeio no campo para percebemos os problemas técnicos, ouvirmos os agentes diretos e indiretos. Não tomemos o todo pela parte, nem nos deixemos levar por fundamentalismos ou demagogias de vão de escada.

Quem não distingue uma cebola de uma batata plantada, talvez troque alhos por bogalhos.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Anterior Gente realmente importante
Próximo As “4L” do Ministério da Agricultura - Carlos Neves

Artigos relacionados

Sugeridas

Oferta de Estágios – Estágios IAESTE (M/F)

[Fonte : ISA – ULISBOA]
IAESTE é uma organização internacional com mais de 80 Países-membros em cinco continentes, […]

Nacional

Reações ao Pacto Ecológico, “um dos mais importantes para a Europa”

Francisco Ferreira, da Zero, aplaude o facto de finalmente o documento incluir mudanças estruturais. Eurodeputados e Greepeace também já reagiram ao plano apresentado pela presidente da Comissão Europeia. […]

Nacional

Mais de 370 vinhos portugueses dão-se a conhecer em Angola

Mais de 370 vinhos e 44 produtores portugueses vão estar presentes na “Grande Prova Vinhos de Portugal” no próximo dia 27 de Junho, […]