Opinião: Floresta e Energia (I). Deve a floresta nacional ser vista como bem comum?

Opinião: Floresta e Energia (I). Deve a floresta nacional ser vista como bem comum?

Gil Patrão

Sendo os bens comuns detidos por todos e geridos de forma coletiva, a resposta à questão em título é negativa! Mas deveria ser, dirão os que discordam que a nossa floresta seja detida em 93,4% por mais de 400.000 proprietários privados, possuindo o Estado só 1,6%, e sendo os 5% restantes geridos por baldios comunitários. Quem julgar que as florestas são pulmões do mundo, dirá que a floresta nacional poderia ser encarada como um “bem comum”, com as prerrogativas ambientais, sociais e económicas inerentes a qualquer outro bem público, por prestar o serviço geral – e não remunerado aos proprietários privados – de, ao transformar dióxido de carbono em oxigénio, tornar o ar respirável, para além de, ao fixar carbono, descarbonizar o globo terrestre.

A nossa floresta continental é composta sobretudo por eucaliptais, sobreirais e pinhais bravos, que ocupam 72% dos 3,15 milhões de hectares arborizados, repartindo-se estas três espécies florestais da seguinte forma: eucalipto ( 812.000 ha), sobreiro ( 737.000 ha) e pinheiro bravo ( 714.000 ha). Todas contribuem para o ciclo do dióxido de carbono e são suporte de rendimento para os proprietários florestais, que empregam no seu conjunto cerca de 135.000 trabalhadores diretos e que, ao explorarem esta floresta, alimentam de madeira, cortiça e biomassa, 2,4% das empresas do país. O setor florestal tem um VAB (valor acrescentado bruto) que é 2,5% do nacional, representa 1,2 % do PIB (produto interno bruto), e pesa 9,9 % no total das exportações de bens. A floresta nacional é uma fonte importante de riqueza, endógena e renovável!

O território continental é ocupado em 35 % por floresta, 17 % por matos e 15 % são pastagens, atingindo os fogos florestais mais matos e pastagens que povoamentos florestais. A população rural vem decrescendo, sobretudo no interior das regiões do Norte e Centro – as mais pobres do país e onde o minifúndio florestal é mais expressivo -, o que contribui para aumentar o risco de incêndio florestal, e exige um olhar muito mais atento, e profundo, sobre todo o setor florestal.

A floresta, sendo quase toda privada, é sumidouro líquido de carbono (por exemplo, em 2012 sequestrou 18 milhões de toneladas de CO2 equivalente), tem outros usos para além da produção florestal, e é percorrida livremente por quem dela desfruta, pelo que a responsabilidade do ordenamento e limpeza das matas não deve caber só a quem suporta custos desproporcionados aos lucros provindos da venda da madeira extraída a tão poucas empresas industriais, que estas nem precisam de cartelização para impor os preços de aquisição desta matéria-prima. É que tais preços, para as grandes empresas que vendem a floresta no mundo serem mais competitivas, e muito lucrativas, não cobrem a totalidade dos custos suportados por 61% dos pequenos proprietários que detém 26% da floresta (média inferior a 5 ha, divididos por diversas parcelas).

Para regular a floresta, o Governo cerceou direitos aos proprietários privados, sem ver como os mais pequenos poderão suportar os custos do ordenamento florestal se estes não se repercutirem sobre todos os que dela usufruem. É que quem tiver parcelas tão pequenas que não permitam mecanizar operações florestais, não terá competitividade para sobreviver no mercado, pelo que o Estado “deterá” mais florestas! Daí o Governo pensar num banco de terras, ciente que poderá ter aberto caminho à “coletivização do minifúndio florestal”! Mas não seria melhor estimular o cooperativismo florestal, se no leite, azeite, fruta e vinho, há cooperativas de sucesso? (Continua)

Comente este artigo
Anterior IX Simpósio Internacional do Kiwi - 6 a 9 de Setembro 2017 - Porto
Próximo Associações de Regantes promovem Sistema para Avaliar e Melhorar Eficiência da Água e Energia - Grupo operacional Agir

Artigos relacionados

Vídeos

Message by President Ursula von der Leyen on measures to support farmers during the Coronavirus crisis

Following the Coronavirus outbreak and current crisis, the European Commission adopted today the extension of the deadline for […]

Últimas

Feira de logística e frio para alimentos em paralelo com a Fruit Attraction – 20 a 22 de outubro – Madrid

De 20 a 22 de Outubro de 2020, tem lugar no Hall 2 do Ifema, em Madrid, Espanha, a primeira edição da Fresh Food Logistics, […]

Nacional

Governo paga 96 mil euros a agricultores da Madeira devido a prejuízos causados pelo temporal

O Governo da Madeira vai pagar mais 96 mil euros devido aos prejuízos causados pelo temporal de fevereiro e março, de 2018, […]