Onze municípios em risco máximo de incêndio

Onze municípios em risco máximo de incêndio

[Fonte: Público]

Onze municípios dos distritos de Faro, Santarém, Portalegre e Castelo Branco estão esta quinta-feira em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em causa estão os concelhos de Loulé, São Brás de Alportel, Tavira e Alcoutim (Faro), Mação e Sardoal (Santarém), Marvão, Nisa e Gavião (Portalegre), e Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão (Castelo Branco).

Outros 22 municípios de oito distritos estão hoje em risco muito elevado de incêndio, de acordo com o site do IPMA.

O distrito com mais concelhos em risco muito elevado é o de Castelo Branco (Vila de Rei, Oleiros, Sertã, Castelo Branco e Idanha-a-Nova), seguido de Santarém (Ferreira do Zêzere, Tomar, Vila Nova da Barquinha e Abrantes) e Faro (Lagos, Portimão, Silves e Castro Marim).

Com três municípios no nível muito elevado estão os distritos de Bragança (Macedo de Cavaleiros, Vinhais e Vimioso) e Beja (Odemira, Almodôvar e Mértola).

Completam esta lista os concelhos de Castelo de Vide (distrito de Portalegre), Vila Nova de Poiares (distrito de Coimbra) e Alvaiázere (distrito de Leiria).

Há ainda dezenas de concelhos do continente português com risco elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de “reduzido” a “máximo”, sendo o “elevado” o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

De acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a área ardida aumentou este ano 51% em relação ao mesmo período de 2018, totalizando até 05 de Junho 7.373 hectares.

Os dados mostram também que os incêndios rurais diminuíram ligeiramente este ano, registando-se entre 01 de Janeiro e 05 de Junho 4.058 fogos, menos 932 do que em igual período de 2018, quando deflagraram 4.990.

Comente este artigo

O artigo Onze municípios em risco máximo de incêndio foi publicado originalmente em Público

Anterior Affirm Opti. Nova solução para controlo de lepidópteros em fruticultura
Próximo Gonçalo Assis Lopes é o Melhor Jovem Agricultor

Artigos relacionados

Nacional

Sementeira aérea em Silves permite estabilizar solos após fogo de Monchique

[Fonte: Gazeta Rural]

O secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, destacou a importância da sementeira aérea iniciada hoje na Herdade da Parra, em Silves, para evitar a erosão e estabilizar solos na serra de Monchique após os incêndios de 2018. […]

Últimas

Mais de mil fogos com origem em queimadas este ano e três mortos

[Fonte: Açoriano Oriental]

A Guarda Nacional Republicana investigou este ano 1.067 incêndios florestais com origem em queimas e queimadas, que provocaram três vítimas mortais, avançou à Lusa a corporação.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a GNR indica que, entre 01 de janeiro e 24 de março, […]

Nacional

Com a seca instalada no país, a reutilização dos esgotos pode matar a sede aos campos

Não é apenas o lixo que é reutilizável, a água residual tratada também pode ser. Poucos dias após a aprovação do Plano de Prevenção e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, a associação ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável defende a crescente aposta na reutilização das águas residuais das estações de tratamento para combater a seca e o desperdício de água. […]