Onda de calor na Europa causa “pior incêndio dos últimos 20 anos” em Tarragona

Onda de calor na Europa causa “pior incêndio dos últimos 20 anos” em Tarragona

Um incêndio que deflagrou na quarta-feira em Espanha está a atingir grandes proporções ao longo desta quinta-feira, tendo várias frentes e focos activos, numa altura de grande onda de calor na Europa. Mais de seis mil hectares já arderam em Tarragona, nas regiões de Torre de l’Espanyol, Vinebre, Palma d’Ebre, Flix e Maials. O ministro interior espanhol, Miquel Buch, classificou este grande incêndio como um acontecimento nunca visto nos últimos 20 anos — declarações que mereceram a atenção da imprensa internacional, nomeadamente na BBC e no The Guardian.

De acordo com o El País, as autoridades temem que o fogo possa consumir vinte mil hectares de floresta naquela área da Catalunha, que tem sentido e vai continuar a registar nos próximos dias temperaturas superiores a 35 graus e um baixo nível de humidade. O mesmo jornal adianta que pelo menos 53 pessoas foram evacuadas de suas casas, situadas em zonas rurais e isoladas, há cinco estradas cortadas ao trânsito e centenas de animais mortos devido às chamas e ao fumo. Não há registo de mortos ou feridos.

A causa do incêndio está a ser associada a um aglomerado de estrume numa grande fazenda em Torre de L’Espanyol que terá começado a arder devido ao calor intenso que se faz sentir pela Europa, especialmente entre a norte de Espanha e sul de França, onde os termómetros já chegaram aos 45 graus. Em Portugal, as temperaturas elevadas irão chegar no sábado.

“O fogo está activo e não está controlado nem estabilizado”, disse o chefe do corpo operacional de bombeiros na região de Tarragona, Antonio Ramos. “A prioridade [de combate ao fogo] é a zona sul [Torre de L’Espanyol], porque é a zona mais crítica. É uma área muito irregular, o que dificulta a deslocação dos veículos e a movimentação rápida das equipas”, acrescentou.

O Governo da Catalunha accionou o nível máximo de emergência em 80 municípios de Lleida e 40 autarquias de Tarragona, o que leva a suspender uma série de actividades agendadas na região e permite a chamada de mais meios de combate aos fogos. Há mais de 500 bombeiros e militares a cooperar nesta operação, apoiados por meios aéreos e veículos terrestres de grande porte.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior Ir aos correios enviar uma árvore para uma floresta portuguesa
Próximo Portugal 2020 injetou, por semana, 50 milhões de euros na economia

Artigos relacionados

Últimas

Fenareg: Regantes reúnem com Ministro da Agricultura para avaliar campanha de rega

[Fonte:Fenareg]
A Fenareg reuniu a 28 de Fevereiro com o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, […]

Últimas

“A Coopval é responsável por mais de 20% da produção nacional de pera Rocha”

Aristides Sécio, presidente da direção da Cooperativa Agrícola dos Fruticultores do Cadaval (Coopval)
Claro que todos os mercados são importantes mas Portugal é […]

Últimas

Cimeira europeia: António Costa à procura de €2 mil milhões na Coesão

Suécia e Holanda pedem cortes maiores na política de coesão. O desafio de António Costa é o de não perder o que está em cima da mesa e somar-lhe […]