Oito quilos, olhos azuis: pela primeira vez em 100 anos, nasceu um lince-euroasiático nos Pirenéus

Oito quilos, olhos azuis: pela primeira vez em 100 anos, nasceu um lince-euroasiático nos Pirenéus

O primeiro exemplar de lince-euroasiático (Lynx lynx) a nascer nos Pirenéus catalães em 100 anos foi esta semana apresentado ao público pelo Centro de Recuperação da Vida Selvagem de MónNatura Pirineus, um programa da Fundação Catalunya La Pedrera inaugurado em 2002.

O lince, baptizado com o nome do centro (MónNatura Pirineus), já nasceu no final de Maio, mas a notícia só agora foi divulgada pela fundação que esteve a acompanhar o estado de saúde da cria. O exemplar, que pesa oito quilos e tem olhos azuis, nasceu de surpresa e tem como pais dois linces já adultos que vivem na reserva desde 2008 e que nasceram em cativeiro num jardim zoológico da Galiza.

Em comunicado, o director do Departamento do Território e do Meio Ambiente da Fundação Catalunya La Pedrera destacou a importância que este nascimento pode ter para a reintrodução da espécie. Miquel Rafa explicou que este lince vai fortalecer o trabalho de educação ambiental que é feito neste centro, que tem uma “função ecológica” nos Pirinéus e onde existem outras espécies de animais como abutres de barba, patos, veados e raposa, entre outros. No Facebook, a fundação divulgou um vídeo onde é possível ver tanto a cria como os seus pais no seu habitat.

O lince euro-asiático, também conhecido como lince europeu, foi incluído na lista de animais em vias de extinção em Espanha, publicada há quase um ano no Diário Oficial do Estado do Governo espanhol. Esta subespécie de lince distingue-se do lince-ibérico, outra subespécie que habita várias zonas de Portugal e Espanha, por ter um porte maior. O lince-euroasiático pode chegar aos 30 quilos e medir, do focinho até a cauda, cerca de 130 centímetros.

Segundo a Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), a subespécie está classificada como “pouco preocupante”, ou seja, não está em risco de extinção ainda que tenha deixado de existir em Espanha. A IUCN estima que a população do lince europeu (excluindo a Rússia e a Bielorrússia) esteja entre os 9000 e os 10.000 exemplares.

Também este ano, o lince-ibérico passou de criticamente ameaçado para ameaçado de extinção. Poderá ser espécie vulnerável em poucos anos e perder o estatuto de ameaçado dentro de décadas, graças à reintrodução de exemplares na Península Ibérica, admitiu em Maio um especialista do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Actualmente, o ICNF estima que a população de lince-ibérico a viver na natureza em Portugal seja constituída por 75 animais, espalhados pelos concelhos de Mértola, Serpa, Castro Verde e Almodôvar, no distrito de Beja, no Alentejo, e Alcoutim, no distrito de Faro, no Algarve.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Governo decreta situação de crise energética
Próximo Feira do Prémio 2019 de volta a Montalegre para premiar raça barrosã

Artigos relacionados

Nacional

Agricultores acusam ambientalistas de “desinformação” sobre o trabalho do setor no combate às alterações climáticas

A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo e a Olivum – Associação de Olivicultores do Sul emitiram esta quarta-feira (24 de abril) um comunicado conjunto em que acusam as organizações ambientalistas, […]

Nacional

Esclarecimento do Ministério da Agricultura sobre os apoios públicos para o olival no perímetro de rega de Alqueva

Tendo em conta as notícias sobre uma alegada decisão do Ministro da Agricultura, Capoulas Santos, no sentido
de “acabar com a concessão de apoios, […]

Nacional

“É uma obrigação garantir a subida do preço de leite à produção”

Esta é a única forma de garantir a sustentabilidade do setor que atravessa uma crise, na sequência da descida do preço do leite pago pelas indústrias. […]