Odemira: para onde foi a água?

Odemira: para onde foi a água?

Por Odemira, lêem-se mensagens como “À beira do precipício — avista-se o fim do Sudoeste”, “Mar do Sudoeste, mar de plástico”, ou “Água para todos”.

Ali, as estufas crescem onde as hortas secam. Habitantes recorrem a uma ribeira para poder regar as suas hortas, sendo-lhes negada a água do canal: mais de 20 famílias da Costa Vicentina ficaram sem água para regar as suas hortas. Até aqui, tinham o rio Mira à distância de uma torneira. A torneira permanece, mas há cerca de dois meses e meio que de lá já não sai água. Quem a fechou foram os Beneficiários do Mira, ligados à agricultura intensiva e responsáveis pelas infraestruturas de rega e por fazer chegar água do rio aos agricultores. Dizem estar a racionar água em tempo de seca mas, enquanto atingem apenas os pequenos agricultores, continuam a surgir novas estufas.

Este bloqueio da água não garante o necessário caudal ecológico no Rio Mira: é colocada em risco a biodiversidade que daquela água depende, havendo já relatos do aparecimento de peixes mortos em troços secos do rio.

A ABM, dirigida essencialmente por grandes empresários agrícolas, diz que cortou aos pequenos para poupar água na Barragem de Santa

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: São Brás de Alportel e Tavira no distrito de Faro em risco máximo
Próximo O valor da terra - Manuela Raposo Magalhães e Selma B. Pena

Artigos relacionados

Últimas

Webinar 30 anos CEACV – Agricultores: guardiões do ambiente – 18 de setembro

No âmbito do ciclo de tertúlias relacionadas com a celebração dos 30 anos da Casa-Escola Agrícola Campo Verde, amanhã, sexta-feira, dia 18 de setembro, irá realizar-se nas instalações da CEACV, […]

Notícias fitofarmacêuticos

Fito-Entrevista: Os desafios à produção agrícola por Elizete Jardim

Elizete Jardim, Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo.
O Futuro da atividade agrícola dentro e fora do Setor. […]

Últimas

PINUS WebCast “As Tabelas de Produção como ferramenta de apoio à gestão do pinhal-bravo” – 21 de julho

O Centro PINUS publicou recentemente uma edição que facilita o acesso dos técnicos florestais a tabelas de produção para pinheiro-bravo. […]