Observatório Técnico Independente: Estudo Técnico – Racionalizar a gestão de combustíveis: uma síntese do conhecimento atual

Observatório Técnico Independente: Estudo Técnico – Racionalizar a gestão de combustíveis: uma síntese do conhecimento atual

[Fonte: AR] É quase universal a tendência para concentrar a gestão do fogo em atividades de prontidão (pré- supressão) e, principalmente, de resposta (supressão) aos incêndios, esquecendo a redução do risco. Este desequilíbrio pode ter êxito no curto a médio prazo, traduzindo-se em menor área ardida. Porém, altera gradualmente a distribuição da dimensão dos incêndios, que se tornam potencialmente maiores. Uma política centrada na supressão do fogo gera espaços florestais mais contínuos e homogéneos e onde o combustível florestal se acumula até níveis que comprometem a efetividade e segurança das operações de combate, independentemente da capacidade e quantidade de meios disponíveis. Este efeito colateral, conhecido como o paradoxo da extinção ou firefighting trap [1], é notório sob condições pirometeorológicas mais severas e é agravado e atua em sinergia com as alterações climáticas em curso [2,3].

A política nacional de DFCI dá particular relevo ao controlo de ignições. Contudo, o impacto da redução do número de ignições na área ardida é insuficiente, uma vez que a respetiva influência é muito inferior à das condições meteorológicas [4] e porque os maiores incêndios estão associados a territórios com baixa densidade de ignições, as quais se concentram onde a fragmentação do espaço florestal impede grandes incêndios [5].

As limitações das estratégias atrás descritas evidenciam que intervir no território e na vegetação (o combustível) constitui uma componente fundamental da gestão do fogo. Num determinado cenário meteorológico e de configuração do terreno, a gestão do combustível florestal por remoção ou modificação estrutural resulta em menor velocidade e intensidade (energia libertada) da propagação do fogo, naturalmente facilitando e aumentando a probabilidade de sucesso das operações de contenção e extinção, com diminuição da área ardida e dos impactes ambientais e socioeconómicos.

O porquê da necessidade de reduzir a combustibilidade do espaço florestal nacional é óbvio, mas é importante perceber como, quanto e onde o fazer de forma a otimizar os resultados obtidos.

→ Descarregue aqui o documento na íntegra ←

Comente este artigo
Anterior Situação de precipitação excessiva 15-25 Dez.
Próximo João Ponte anuncia que certificação do Serviço de Classificação do Leite fica concluída em 2020

Artigos relacionados

Nacional

Incêndio de Tomar. O fogo passou o rio e chegou aos concelhos de Abrantes e Constância

O incêndio que deflagrou na tarde deste sábado numa zona florestal de Tomar passou o rio Zêzere e a frente, bastante extensa, […]

Comunicados

Mercado do leite e dos produtos lácteos: liquidadas existências públicas de leite em pó desnatado

No último concurso, foram vendidas as 162 toneladas restantes de uma quantidade inicial de 380 000 toneladas de existências públicas de leite em pó […]

Últimas

Fileira da madeira contesta “suspensões recorrentes” impostas à exploração florestal

A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) contestou hoje as “suspensões recorrentes” impostas pelo Ministério da Administração Interna às atividades de exploração florestal em zonas afetadas por incêndios, […]