Obras no Mercado Agrícola de Santana querem potenciar turismo

Obras no Mercado Agrícola de Santana querem potenciar turismo

“Não é uma obra megalómana, não é uma obra de milhões, mas que tem um significado muito importante. Mais do que o seu valor da construção, é o seu valor do simbolismo que representa”, disse o presidente da Associação Agrícola da Ilha de São Miguel, Jorge Rita, na inauguração do espaço, frisando que havia “uma lacuna de há muitos anos” nesta área.

A tradicional feira de Santana, na vila de Rabo de Peixe, reúne todas as quintas-feiras agricultores que disponibilizam, além de animais, produtos hortícolas e frutícolas.

“Costumamos dizer que as quintas-feiras são os domingos dos lavradores e é nas quintas-feiras que as pessoas muitas vezes tomam conhecimento com as realidades do setor”, sublinhou Jorge Rita, lembrando que no espaço da Associação Agrícola da Ilha de São Miguel foi construído “um parque de exposições excecional”, mas a feira de Santana “nunca teve as devidas condições”, embora o evento dinamize semanalmente a economia local.

O dirigente adiantou que o espaço, orçado em 350 mil euros, “dignifica o setor agrícola, quer na área da carne, ou leite, como nas hortícolas e frutícolas”, explicando que no futuro a ideia é tornar a zona num roteiro turístico.

Jorge Rita avançou que a associação pretende começar “no final deste ano” ou no próximo ano a construção de um centro interpretativo da agricultura e de uma loja onde serão comercializados ‘kits’ com produtos da região.

“Todos estes espaços que iremos criar na associação vão no sentido de, cada vez mais, dar notoriedade e valorização às produções locais”, referiu, assinalando que a organização já conta com um restaurante.

Em relação ao setor leiteiro, o dirigente da Associação Agrícola disse ter “expectativa que a situação também possa melhorar nos próximos tempos” e que ocorram “mais algumas subidas no preço do leite”, sublinhando que “os mercados são favoráveis, mas é preciso aproveitar essa situação de uma forma transversal”.

Na ocasião, o secretário regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, anunciou que “dentro de uma a duas semanas vão ser aprovados 31 novos pedidos de primeira instalação para jovens agricultores com um montante de prémio de 1,3 milhões de euros” e “136 projetos de investimento com um valor de investimento superior a 13 milhões de euros e com uma dotação regional de despesa pública de oito milhões de euros”.

João Ponte prometeu mais celeridade na aprovação dos projetos, apontando que havia “um grande passivo em termos de projetos por aprovar”.

Quanto ao novo espaço, admitiu que tem “um grande potencial do ponto de vista turístico”.

Comente este artigo
Anterior Seminário "A reforma da floresta: necessidades e oportunidades" - UNAC - 14 de Fevereiro 2017 - Lisboa
Próximo Los precios de los alimentos, al nivel más alto de los últimos dos años

Artigos relacionados

Nacional

Quercus preocupada com poluição das linhas de água

“A chuva, se for pouca, não é dramático. Se houver muita chuva, criam-se compostos que degradam a água na albufeira. O problema agora depende se vai chover muito ou não”, […]

Últimas

Como nos alimentaremos em 2050 – António Lopes Dias

A dicotomia forçada entre a chamada agricultura “biológica” e “convencional” levam o consumidor a acreditar que existe uma agricultura boa e uma menos boa, […]

Últimas

Proposta do PS: Vamos ter hortas no topo dos edifícios

Cidades mais inteligentes e sustentáveis exigem corredores ecológicos, hortas nos telhados dos prédios e paredes cobertas de verdura, segundo o programa eleitoral do Partido Socialista
O Partido Socialista quer dinamizar a agricultura urbana com a utilização das coberturas dos edifícios das cidades para a produção de produtos hortícolas, […]