O Referencial GLOBALG.A.P., uma “nova” oportunidade para os Produtores Agrícolas – João Rodrigues

O Referencial GLOBALG.A.P., uma “nova” oportunidade para os Produtores Agrícolas – João Rodrigues

Cada vez mais se ouve falar de GLOBALG.A.P., mas muitos agricultores e produtores agrícolas ainda desconhecem as vantagens desta certificação que ao ser voluntária a sua implementação lhe transmite uma característica diferenciadora, e que atribui ao produto final uma elevada valorização e entrada em mercados mundiais.

Resultante de um crescente número de certificações verificadas em Portugal, este resumo, pretende elucidar todos os agricultores para esta ferramenta, que em muitos casos poderá ser uma mais valia para o escoamento do produto e a sua internacionalização.

GLOBALG.A.P. é uma organização privada que estabelece normas próprias para certificação de produtos agrícolas em todo o mundo.

O objetivo da GLOBALG.A.P. é estabelecer uma norma de Boas Práticas Agrícolas (BPA), que inclui diferentes requisitos para os diferentes produtos e que possa ser adaptada a toda a agricultura mundial.

É um referencial voluntário para certificação de produtos agrícolas que inclui aquacultura, que visa minimizar os impactos negativos nas operações agrícolas, saúde e bem-estar animal, meio-ambiente e na defesa de questões dos colaboradores que operem nas unidades de produção quer em saúde, segurança e bem-estar.

A maioria dos retalhistas dos mercados de hoje exige determinados referenciais que assegurem uma agricultura segura e sustentável, e a certificação GLOBALG.A.P. oferece um referencial extremamente fiável e conceituado para demonstrar a segurança e sustentabilidade em alimento agrícolas.

Ao cumprirem os pontos de controlo e critérios de cumprimento (PCCC) GLOBALG.A.P., os produtores podem vender os seus produtos tanto a nível nacional como a nível mundial, explicando assim o enorme crescimento de produtores agrícolas certificados e oferecendo a estes um bilhete de entrada para o mercado global.

A certificação GLOBALG.A.P. pode ser solicitada a um Organismo de Certificação por produtores ou grupo de produtores agrícolas, podendo esta ser:

-Certificação Individual

-Certificação de grupo

-Equivalência Individual

-Equivalência OP.

Os benefícios da certificação GLOBALG.A.P.:

– A redução dos riscos de segurança alimentar na produção primária e dos riscos associados à exposição da reputação dos produtores.

– O reconhecimento internacional da certificação dos produtos do agricultor

– O acesso ao mercado global e aos retalhistas mais exigentes.

– A melhoria da eficiência e da organização interna da exploração.

– O cumprimento da legislação sobre segurança alimentar, meio ambiente e saúde e segurança dos trabalhadores. GRASP – Risk Assessment On Social Practice

– A implementação simplificada do sistema HACCP na produção primária.

– A redução dos riscos de acidentes de trabalho.

– A contribuição para o cumprimento dos princípios do Pacto Mundial das Nações Unidas, em matéria de alimentos.

Sistema Integrado de Garantia da Produção:

O Sistema Integrado de Garantia da Produção (Integrated Farm Assurance – IFA). apresenta uma organização modular que permite avaliar todos os produtos agrícolas numa única auditoria efetuada à unidade de produção.

Os níveis modulares são os seguintes:

Nível Geral – Unidade de Produção – aplicável a todos os produtores que pretendem a certificação e integra os pontos essenciais para todos os tipos de unidades de produção.

Nível Âmbito – Produção Vegetal, Produção Animal e Aquacultura – cobrindo áreas mais genéricas da produção.

Nível Sub-âmbito – detalhes específicos de produção, classificados por tipo de produto (Frutas & Legumes, Flores & Ornamentais, Culturas Arvenses, Bovinos & Ovinos, …).

O referencial do sistema integrado de garantia da produção GLOBALG.A.P. para produção vegetal, produção animal, aquacultura aborda elementos de sustentabilidade ambiental que são avaliados por um auditor técnico, que também avalia os elementos relacionados com segurança alimentar.

Estes elementos incluem o desenvolvimento de um plano de ação para resíduos e poluentes, a avaliação do impacto das atividades de produção no meio ambiente, o uso responsável da água e, de um modo geral, a identificação de unidades que não são produtivas e as formas eficiente de utilizar energia.

A certificação GLOBALG.A.P. tem crescido exponencialmente em todo o mundo, e Portugal não tem sido exceção, sendo já um dado adquirido, as vantagens que esta poderá trazer a uma exploração agrícola e mais precisamente ao produto final.

Para informações mais detalhadas, contate o um organismo de certificação credenciado pelo GLOBALG.A.P. ou através do site: www.globalgap.org

João Rodrigues

Engenheiro Agrónomo

Probifarmer

Comente este artigo
Anterior El verano trae bajadas en los precios de los corderos
Próximo Nova Política Agrícola Comum pode ser oportunidade para apostar nos biológicos

Artigos relacionados

Opinião

Concorrência precisa-se – Manuel Chaveiro Soares

Durante o Estado Novo vigorou entre nós o regime de condicionamento industrial, que abrangia inúmeras actividades, mormente no sector transformador, o que, na minha opinião, terá prejudicado o desenvolvimento económico do País, devido ao facto de ter eliminado a concorrência.
Com efeito, o condicionamento industrial impedia o surgimento de novas empresas sem a concordância dos industriais já instalados e, […]

Opinião

Patentes de Plantas – Luís Caixinhas

INTRODUÇÃO
Apesar de não ser possível patentear em Portugal uma túlipa ou quaisquer outras espécies de planta já existentes na natureza, de acordo com Instituto Nacional da Propriedade Nacional (INPI) e conforme expressamente estabelecido no Código da Propriedade Industrial (CPI), no seu art.º 52.º (“Limitações quanto ao objecto (…) b) Os materiais ou as substâncias já existentes na natureza e as matérias nucleares (…) ” […]

Opinião

O glifosato e a “guerra do glifosato” – Pedro Fevereiro

A Plataforma Transgénicos Fora (PTF) apresenta um estudo de quantificação de glifosato na urina de voluntários, realizado em 2018. Os valores médios detetados nas amostras foram de 0,35 ng/ml em julho e de 0,31 ng/ml em outubro. Os métodos de quantificação foram diferentes para cada data. […]