O desafio do abandono da terra depois de 2020 e medidas possíveis para mitigar seus efeitos

O desafio do abandono da terra depois de 2020 e medidas possíveis para mitigar seus efeitos

O Research4Committees da Comissão Europeia publicou esta terça-feira o estudo “The challenge of land abandonment after 2020 and options for mitigating measures” que traça o panorama da evolução que o abandono da terra pode seguir na UE até 2030, a sua trajetória histórica e o estado em que atualmente nos encontramos.

Baseado em diversa documentação e em estudos de caso, este estudo analisa os fatores motivadores e efeitos do fenómeno do abandono da terra, medidas de mitigação a serem aplicadas a através das políticas da União, em particular da PAC, e descreve diferentes hipóteses sobre mudanças no uso da terra, utilizando como variáveis as alterações climáticas, da globalização dos mercados e de uma grande crise de saúde.

Principais conclusões do Estudo

• Cerca de 30% (cerca de 56 milhões de hectares) das áreas agrícolas da União Europeia (UE27) corre pelo menos um risco moderado de deixar a terra e pode chegar a 5 milhões de hectares em 2030 e 2,9% da Superfície Agricultura Útil Atual (173 milhões de hectares).

• O abandono de terra é um fenómeno local impulsionado por um conjunto complexo de elementos que abrangem fatores biofísicos, agrícolas, estruturais, de mercado, regionais, institucionais e estratégicos. Os problemas de gestão e adaptação estruturais são as principais forças motrizes que afetam este processo.

• Os efeitos nocivos do abandono da terra podem ameaçar o futuro dos habitats semi-naturais. No entanto, sob certas condições, e em algumas fases do processo de abandono, pode haver alguns resultados benéficos.

• Embora seja verdade que os instrumentos de ação da política agrícola comum (PAC) podem contribuir para mitigar o abandono de terras, as tendências de concentração de produção e o abandono diferem entre os vários tipos de exploração e setores produtivos.

• As tendências atuais de abandono de terras serão agravadas por fatores externas (alterações climáticas, globalização, crise de saúde). Os efeitos dos fatores que impulsionam o abandono da terra são a melhoria da condições de operação, suporte adaptado a áreas com limitações recursos naturais, silvicultura e medidas ambientais, bem como como ajudar as comunidades rurais.

Consulte o estudo aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Rede Rural Nacional.

Comente este artigo
Anterior Projecto europeu de leguminosas envolve cidadãos
Próximo APRODER divulga abertura de concursos do PDR2020 para a região de Santarém

Artigos relacionados

Nacional

Ministra da Agricultura em entrevista: Redução do efectivo bovino pode não acontecer. “Vamos estudar essa possibilidade”

O jornalista fundador do site agriculturaemar.com, Carlos Caldeira, entrevistou a nova ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, para o Jornal Económico. […]

Últimas

Açores admitem plano para fazer face a prejuízos na venda de queijo para os EUA

O titular da pasta da Agricultura, citado em nota de imprensa, declarou que “se se verificar que o agravamento das taxas aduaneiras dos Estados Unidos não for alterado e influenciar as vendas do queijo de São Jorge naquele país, […]

Últimas

Conferência “Sementes para agricultura e produção biológica”

Organizado pela empresa Sementes Vivas, em parceria com o INIAV, a DGAV e a DGADR, vai realizar-se no próximo dia 15 de Março, […]