O clima afeta de forma igual ou diferente o crescimento da cortiça das árvores sujeitas às mesmas condições?

O clima afeta de forma igual ou diferente o crescimento da cortiça das árvores sujeitas às mesmas condições?

O crescimento anual e a espessura da cortiça são conhecidos por serem altamente variáveis entre árvores localizadas na mesma área geográfica.

Um novo artigo CEF, com a coordenação da Professora Joana Amaral Paulo do Instituto Superior de Agronomia, recentemente publicado na revista European Journal of Forest Research, analisou a seguinte questão: ‘O clima afeta de forma igual ou diferente o crescimento da cortiça das árvores sujeitas às mesmas condições?’.

Os resultados permitiram demonstrar:

  • Para todos os calibres de cortiça, a existência de uma relação parabólica entre o crescimento anual e a precipitação anual. O valor de precipitação média anual associado a um crescimento máximo da cortiça, foi determinado entre os 1007 e os 1103 mm/ano.
  • A existência de uma relação negativa entre a o crescimento anual das cortiças mais delgadas (de menor calibre) e a temperatura média dos meses de Abril a Agosto, a temperatura média da Primavera e a temperatura média do Verão.
  • A existência de uma relação negativa entre o calibre aos 9 anos das cortiças mais delgadas (de menor calibre) e a temperatura máxima anual.
  • A existência de uma relação parabólica entre o índice de Lang (Precipitação/Temperatura média) e o crescimento anual da cortiça, com maiores crescimentos estimados para valores de índice de Lang em torno de 60, os quais correspondem à transição entre os climas semi-árido e húmido.

Os modelos desenvolvidos foram ainda usados para estimar, pela primeira vez, a percentagem de cortiça extraída de um povoamento que deverá atingir calibres considerados adequados para a produção de rolha natural. Os mapas produzidos mostram que os valores mais altos são esperados nas regiões costeiras do Sul e Centro, e ao longo da bacia do rio Tejo. O litoral norte e as regiões montanhosas, caracterizadas por valores de índice de Lang superiores a 60 (climas húmidos), apresentam valores estimados mais baixos. É expectável que num contexto de alterações climáticas os valores estimados possam sofrer alterações, tendencialmente de redução.

Leia mais aqui: https://link.springer.com/article/10.1007/s10342-021-01379-8

Comente este artigo
Anterior Pior do que o "faroeste" no Alentejo e culpa é do Governo, acusa empresário
Próximo Madeira produz um dos melhores gins do mundo

Artigos relacionados

Nacional

“A Ovibeja é uma espécie de Ronaldo que toda a gente conhece”, diz o presidente da ACOS


“A Ovibeja é uma espécie de Ronaldo que toda a gente conhece”
A 36ª Ovibeja tem como tema central as alterações climáticas na agricultura e os debates já […]

Nacional

OE2020: CAP defende “medidas mais arrojadas” para atração de investimento

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) reclamou hoje ao Governo “medidas mais arrojadas” para atração de investimento […]

Últimas

Ovar e Murtosa arrancam hoje com mais 400.000 euros de obras na ria

Os municípios de Ovar e Murtosa assinaram hoje com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dois protocolos que resultarão em obras de 400.000 euros para requalificar margens e muros […]