O azevinho (Ilex aquifolium L.) é uma espécie protegida, pelo que a colheita, o corte total ou parcial, o arranque, o transporte e a venda são proibidos em Portugal continental

O azevinho (Ilex aquifolium L.) é uma espécie protegida, pelo que a colheita, o corte total ou parcial, o arranque, o transporte e a venda são proibidos em Portugal continental

O azevinho (Ilex aquifolium L.), aparece espontaneamente em Portugal continental e a espécie Ilex canariensis Poir. ou Ilex perado Aiton, na Madeira e nos Açores .

O azevinho (Ilex aquifolium L.) é uma espécie protegida, ao abrigo do Dec.-Lei 423/89 de 4 de dezembro, pelo que a colheita, o corte total ou parcial, o arranque, o transporte e a venda são proibidos em Portugal continental.

Por ser difícil ou até impossível distinguir o azevinho espontâneo do azevinho cultivado durante o transporte/comercialização, e existindo em Portugal Continental uma importante atividade económica de produção e comercialização de azevinho, desenvolvida com maior intensidade durante a época natalícia, iniciou-se em 1990 uma ação de credenciação voluntária dos produtores com a finalidade não só de assegurar o cumprimento das disposições legais, mas também permitir que pudessem desenvolver tranquilamente a sua atividade económica.

Os produtores podem registar-se junto do ICNF até ao dia 15 de setembro de cada ano.

http://www2.icnf.pt/portal/icnf/formularios/azev  

……………………………….

O azevinho, é um arbusto de folha persistente da família das Aquifoliáceas, do género Ilex, de crescimento muito lento, atingindo em adulto 4 a 6 metros de altura, podendo viver mais de 100 anos. Alguns exemplares atingem porte arbóreo e podem chegar aos 15 m ou mais.

Pouco exigente quanto ao tipo de solos encontramo-lo em bosques caducifólios (carvalhais) e matagais em regiões montanhosas, raramente formando azevinhais. Frequentemente em encostas sombrias, barrancos fechados e margens de linhas de água, com preferência por solos siliciosos ou descarbonatados, de boa drenagem e estações com pluviosidade alta ou média, e altitudes até aos 1.500 m.

É uma espécie dioica (i.e. os sexos são separados havendo indivíduos masculinos e femininos), aparecendo os frutos, tóxicos, apenas nos exemplares femininos, sendo que 20 ou 30 bagas podem ser fatais, mas as folhas apresentam também alguma toxicidade. Existem já no mercado variedades e híbridos cultivados, que são plantas monoicas, isto é, têm em simultâneo flores masculinas e femininas.

As folhas, verde-escuras ou bicolores, são ovaladas ou lanceoladas e de bordo ondulado e espinhoso, por vezes liso em indivíduos ou ramos mais idosos. As flores brancas, de pequena dimensão aparecem entre abril e junho e os frutos amadurecem no fim do verão, persistindo durante todo o inverno.

É uma espécie protegida, ao abrigo do Dec.-Lei 423/89 de 4 de dezembro, pelo que a colheita, o corte total ou parcial, o arranque, o transporte e a venda são proibidos em Portugal continental.

Por ser difícil, ou até impossível distinguir, o azevinho espontâneo do azevinho cultivado durante o transporte/comercialização, e existindo em Portugal Continental uma importante atividade económica de produção e comercialização de azevinho, desenvolvida com maior intensidade durante a época natalícia, iniciou-se em 1990 uma ação de credenciação voluntária dos produtores com a finalidade não só de assegurar o cumprimento das disposições legais, mas também permitir que pudessem desenvolver tranquilamente a sua atividade económica.

Os produtores podem registar-se junto do ICNF até ao dia 15 de setembro de cada ano.

http://www2.icnf.pt/portal/icnf/formularios/azev 

Fotos: João Pinho / ICNF

O artigo foi publicado originalmente em ICNF.

Comente este artigo
Anterior VITIS com nova dotação de 50 m€: Ministério da Agricultura valoriza vinhas em modo de produção biológico, agricultura familiar e vinhas históricas
Próximo Webinar “Desenvolvimento dos Territórios Rurais: Passado, Presente e Futuro” - 4 dezembro 2020

Artigos relacionados

Cotações PT

Cotações – Aves e Ovos – 5 a 11 de abril 2021

Na semana em análise as cotações médias nacionais do frango, vivo (de 1,8 kg) e abatido (65% – de 1100 a 1300 g) e do peru, vivo (de 1,8 kg) e abatido (80% – de 5,7 a 9,8 kg), mantiveram-se […]

Nacional

“Que Floresta?” é tema para mais uma “Conversa com Café” no Museu Municipal de Azambuja

Facebook
Twitter
Google+
Pinterest
WhatsApp


O Museu Municipal de Azambuja vai ser palco, no serão desta sexta-feira, 29 de março, […]

Nacional

Pão de Açúcar faz maior encomenda de vinho português para o Brasil

A cadeia de distribuição brasileira acaba de importar 200 mil garrafas de 13 empresas de vinho verde, num negócio avaliado em quase meio milhão de euros e promovido pela Associação Empresarial de Portugal. […]