Nuno Russo: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação e na inovação”

Nuno Russo: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação e na inovação”

O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, esteve hoje na cerimónia de entrega do Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola. Uma iniciativa que vai já na 6ª edição e premeia todos aqueles que fazem do empreendedorismo e da inovação dois princípios basilares para o seu trabalho. “Dois princípios que também nós, na Agricultura, queremos manter presentes na realização de um trabalho com os olhos postos no futuro, mas que começa no presente e agora”, começou por dizer o membro do governo durante a sua intervenção, avançando que os Centros de Competência são um dos “motores” para afirmar “um dos nossos grandes objetivos: a construção partilhada de conhecimento e o alinhamento estratégico das atividades, através da definição de uma agenda de investigação e inovação. É de salientar esta vontade e esta capacidade de empresas, produtores e entidades ligadas à investigação se agregaram e unirem esforços, numa parceria tendo em vista a inovação”.

O Secretário de Estado fez questão de lembrar a Parceria Europeia de Inovação para a Competitividade e Sustentabilidade da Agricultura (PEI-AGRI) “que tem por objetivo fomentar a competitividade e a sustentabilidade da agricultura, numa abordagem integrada entre a comunidade científica e a prática agrícola, de modo a atividade mais com menos recursos e se desenrole em harmonia com o ambiente. Este será o caminho que continuará a ser seguido no próximo período de programação da Política Agrícola Comum”.

Nuno Russo destacou a luta constante pela sustentabilidade ambiental, económica e social: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação, na tecnologia e na inovação. Este será um caminho em que haverá espaço e oportunidade para a interrogação, para a experimentação, para a busca de mais e melhores alternativas, com mais e melhor conhecimento aplicado à Agricultura. A nossa capacidade de encarar o desafio das alterações climáticas, e não só, passa por esta nossa capacidade de inovar, a capacidade de nos adaptarmos e de encontrarmos novas respostas”.

“A agricultura nacional não ficou à espera e já embarcou nesta viagem que é a digitalização. O nosso país é responsável por produtos únicos. Aqui, o empreendedorismo, a inovação, a tecnologia, o conhecimento e a digitalização serão fatores cruciais no reforço da competitividade, na valorização sustentável dos nossos recursos e na melhoria das condições de vida da população, nomeadamente pela criação de emprego”, sustentou o membro do governo.

Comente este artigo
Anterior Quintas de Melgaço junta Alvarinho e Chardonnay para produção de novo vinho
Próximo “Um iogurte e uma banana” - Henrique Pereira dos Santos

Artigos relacionados

Notícias florestas

Candidaturas abertas para a Árvore do Ano 2021

Já estão abertas as candidaturas para o Concurso da Árvore Portuguesa que irá representar o país no Concurso Europeu da Árvore do Ano 2021. […]

Sugeridas

Cereais – FastBreed

O projeto pretende produzir ferramentas baseadas na Seleção Genómica para obtenção de novas variedades de trigo geneticamente melhoradas

Últimas

Práticas abusivas no comércio vão ser penalizadas

Foi ontem publicado em Diário da República e vai entrar em vigor a 1 de janeiro de 2020 o Decreto-Lei que altera  […]