Nuno Russo: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação e na inovação”

Nuno Russo: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação e na inovação”

O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, esteve hoje na cerimónia de entrega do Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola. Uma iniciativa que vai já na 6ª edição e premeia todos aqueles que fazem do empreendedorismo e da inovação dois princípios basilares para o seu trabalho. “Dois princípios que também nós, na Agricultura, queremos manter presentes na realização de um trabalho com os olhos postos no futuro, mas que começa no presente e agora”, começou por dizer o membro do governo durante a sua intervenção, avançando que os Centros de Competência são um dos “motores” para afirmar “um dos nossos grandes objetivos: a construção partilhada de conhecimento e o alinhamento estratégico das atividades, através da definição de uma agenda de investigação e inovação. É de salientar esta vontade e esta capacidade de empresas, produtores e entidades ligadas à investigação se agregaram e unirem esforços, numa parceria tendo em vista a inovação”.

O Secretário de Estado fez questão de lembrar a Parceria Europeia de Inovação para a Competitividade e Sustentabilidade da Agricultura (PEI-AGRI) “que tem por objetivo fomentar a competitividade e a sustentabilidade da agricultura, numa abordagem integrada entre a comunidade científica e a prática agrícola, de modo a atividade mais com menos recursos e se desenrole em harmonia com o ambiente. Este será o caminho que continuará a ser seguido no próximo período de programação da Política Agrícola Comum”.

Nuno Russo destacou a luta constante pela sustentabilidade ambiental, económica e social: “temos de apostar numa agricultura alicerçada na investigação, na tecnologia e na inovação. Este será um caminho em que haverá espaço e oportunidade para a interrogação, para a experimentação, para a busca de mais e melhores alternativas, com mais e melhor conhecimento aplicado à Agricultura. A nossa capacidade de encarar o desafio das alterações climáticas, e não só, passa por esta nossa capacidade de inovar, a capacidade de nos adaptarmos e de encontrarmos novas respostas”.

“A agricultura nacional não ficou à espera e já embarcou nesta viagem que é a digitalização. O nosso país é responsável por produtos únicos. Aqui, o empreendedorismo, a inovação, a tecnologia, o conhecimento e a digitalização serão fatores cruciais no reforço da competitividade, na valorização sustentável dos nossos recursos e na melhoria das condições de vida da população, nomeadamente pela criação de emprego”, sustentou o membro do governo.

Comente este artigo
Anterior Quintas de Melgaço junta Alvarinho e Chardonnay para produção de novo vinho
Próximo “Um iogurte e uma banana” - Henrique Pereira dos Santos

Artigos relacionados

Notícias apoios

Pagamentos da União Europeia no Portugal 2020 são os mais baixos de sempre

O ritmo de pagamentos da Comissão Europeia a Portugal, no âmbito do Portugal 2020 nunca foi tão baixo, revela o Boletim Económico do Banco de Portugal. […]

Notícias apoios

Cheias no Mondego. Balanço provisório aponta para quase quatro milhões em prejuízos

O balanço provisório dos prejuízos causados pelas cheias no Mondego apontam para três milhões e 900 mil euros. Os números foram […]

Internacional

Biotech Crops are the Fastest Adopted Crop Technology, ISAAA

Biotech crops are considered as the fastest adopted crop technology in the history of modern agriculture, according to […]