Nuno Russo apela a uma agricultura resiliente e promotora da proteção dos solos

Nuno Russo apela a uma agricultura resiliente e promotora da proteção dos solos

No Dia Mundial do Solo, o Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, fez questão de começar a sua intervenção evocando o apelo da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO): “Pare a erosão do solo, salve o nosso futuro”. Neste dia, em que também se comemora o 5º aniversário da Parceria Portuguesa para o Solo (PPS), Nuno Russo afirmou que “responder às alterações climáticas obriga-nos, neste momento, a olhar com atenção para o que julgávamos conhecer, mas também a questionar, a repensar, a adaptar, a procurar fazer de forma diferente”.

No evento, que também contou com a presença de Rosa Minerva Cuevas Corona, Nuno Russo destacou o trabalho desta cientista “que tem servido de referência no desafio permanente de equilibrar o crescimento económico com o ordenamento de território, a agricultura e o desenvolvimento sustentável em três dimensões: ambiental, económico e social”.

Para o Secretário de Estado com a pasta da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, “a resposta às alterações climáticas é um desafio de todas e de todos. Um desafio também assumido pelo XXII Governo e estabelecido no nosso programa. Não podemos esquecer: Portugal é dos países da União Europeia que mais sentem os efeitos das alterações climáticas. Temos que, de forma permanente, gerir o equilíbrio entre a sustentabilidade nas três dimensões que já realcei: ambiental, económica e social”.

“O  “solo”,   enquadra  os  quatro   grandes  desafios  desta   legislatura:   alterações climáticas, demografia, transição digital e combate às desigualdades, acaba por ser o roteiro para travar as alterações climáticas e construir um futuro mais sustentável; o roteiro para apoiar o interior, promover uma maior coesão territorial e estimular o desenvolvimento rural, respondendo às questões demográficas e combatendo as desigualdades; e o roteiro da transição digital”, explicou Nuno Russo.

“É através destas medidas, e de tantas mais, que promovemos uma agricultura resiliente e protegemos os solos, melhorando a sua estrutura. Para tal, também se revela essencial o fomento de uma agricultura de precisão, visando uma aplicação eficiente de fertilizantes, assim como o aumento do uso de fertilizantes orgânicos para reduzir progressivamente o uso de fertilizantes sintéticos”, concluiu o membro do governo.

Comente este artigo
Anterior Observatório Técnico Independente: Estudo Técnico - O planeamento da Defesa da Floresta Contra Incêndios
Próximo Exportações de vinho português ultrapassam os 580 milhões de euros até Setembro

Artigos relacionados

Últimas

Aquecimento social, alerta global

Uma Europa socialmente inclusiva é condição para ter êxito no combate às alterações climáticas As alterações climáticas são um desafio fundamental do nosso tempo. […]

Últimas

Fórum Empresarial Andaluzia – Portugal 2020 realiza-se em Lisboa a 15 de Janeiro – Lisboa

A Extenda, empresa pública da Junta de Andaluzia para a promoção externa, e a Câmara de Comércio e Indústria Luso Espanhola organizam o “Fórum Empresarial Andaluzia – Portugal 2020”, […]