Nem só de uva se faz vinho. Agricultor da Guarda cria néctares a partir de amoras e framboesas

Nem só de uva se faz vinho. Agricultor da Guarda cria néctares a partir de amoras e framboesas

Segundo Pedro Pinheiro, a “aventura” começou em 2017, após verificar que algumas das amoras que produz em estufas, que tinha deixado esquecidas num balde, acabaram por fermentar.

Nessa altura, o agricultor e professor de Educação Musical, que produz amoras, framboesas e mirtilos de forma biológica, decidiu pedir ajuda a um enólogo para acompanhar o processo e produziu os primeiros 120 litros de “vinho” de amora, a que deu o nome de “Amoreira” (com 14,5% de volume de álcool).

No ano seguinte, fez a experiência com framboesas e produziu 50 litros de “vinho” denominado “Dois” (com 12,5% de volume de álcool), uma designação justificada por existirem na região duas aldeias com o nome de Avelãs (de Ambom e da Ribeira) e por levar dois constituintes: fermentado de framboesa e mosto de uva.

O agricultor ficou satisfeito com as experiências e este ano produziu 100 litros de fermentado de amora e igual quantidade de fermentado de framboesa.

Segundo o produtor, os “vinhos” invulgares têm sido vendidos em feiras da região e têm tido boa aceitação pelos consumidores.

Neste momento, apenas possui duas garrafas (de 750 mililitros) do fermentado de amoras (que vende por oito euros a unidade) e cerca de 40 garrafas (de 500 mililitros) da bebida feita à base de framboesas (que comercializa a seis euros a unidade).

A produção deste ano está em estágio e o fermentado será engarrafado “no final do verão de 2020”.

Com o “vinho” de framboesa, Pedro Pinheiro pretende atingir o mercado mais direcionado para o público feminino, “porque é um ‘vinho’ mais perfumado, com um sabor mais intenso”.

As senhoras consideram-no “interessante”, porque “é mais suave” do que os vinhos tradicionais, disse.

O produtor referiu à Lusa que ainda é preciso “estudar bem” os pratos que o néctar de framboesa acompanhará melhor, admitindo que resultará bem como acompanhante de pratos de peixe, como aperitivo ou bebida de final de refeição.

“Estamos a trabalhar numa ideia de ter produtos diferenciadores daqui da nossa zona, mas que sejam bebidas que possam responder a potenciais clientes diferentes”, esclareceu.

Pedro Pinheiro contou que na Feira Farta deste ano, realizada em setembro, na Guarda, um senhor “que já vende vinhos há mais de vinte anos” lhe disse que o “vinho” de framboesa, nos países nórdicos, “vendia-se aos montes e com preços muito interessantes, só que é preciso mudar o ‘chip’ para a questão de ser um ‘vinho’ fermentado através de framboesas e não de uvas”.

E nesta altura do São Martinho, quando se consomem castanhas tradicionalmente acompanhadas por jeropiga, o responsável acredita que a bebida feita à base de framboesas poderá ser boa para degustar com aquele fruto, pois “tem um toque adocicado”.

Já o néctar feito à base de amoras é, na sua opinião, “muito bom” para acompanhar qualquer refeição.

Pedro Pinheiro criou, em 2015, em Avelãs de Ambom, uma aldeia do concelho da Guarda com cerca de 60 habitantes, a empresa Ambombagas, destinada à instalação e exploração de frutos vermelhos e de casca rija em modo de produção biológica, para equilibrar as finanças familiares.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Há, mas são verdes. Seoul tem alfaces a crescer nas estações de metro
Próximo Macron e a China

Artigos relacionados

Dossiers

Slight increase in EU27 agri-food trade despite Coronavirus and Brexit challenges

Continued strong exports of EU pork and wheat helped to mitigate the trade challenges of Covid-19 and Brexit in the first five months of 2020. As a result of these challenges, the monthly values of […]

Últimas

Continente integra 40 novos produtores e compra mais de 71 milhões de euros à produção nacional

Para ajudar a produção nacional no escoamento de produtos nesta fase de emergência, o Continente integrou, em apenas 2 semanas, 40 novos […]

Últimas

PJ diz que não há mão criminosa no fogo de Monchique

A Polícia Judiciária garantiu esta quarta-feira que a causa do incêndio de Monchique, em 2018, “foi determinada, estando esclarecida, quer pelas diligências investigatórias desenvolvidas, […]