Nem a pagar mil euros empresas arranjam quem queira limpar mato e florestas

Nem a pagar mil euros empresas arranjam quem queira limpar mato e florestas

Tarefas duras e sazonalidade explicam crescentes dificuldades na contratação de mão de obra. Empresários já recorrem ao estrangeiro para salvar períodos de maior atividade na floresta.

A falta de mão de obra no setor florestal é cada vez mais evidente e está a deixar as empresas sem alternativas, a não ser recorrer à contratação de trabalhadores estrangeiros. Os empresários garantem que os salários mensais para limpeza de terrenos e florestas ascendem aos mil euros, mas a sazonalidade e a dureza das tarefas afastam potenciais candidatos, mesmo entre quem está desempregado.

“Para o trabalho mais mecanizado não há tanta dificuldade em encontrar prestadores de serviços, porque é um trabalho menos duro. O problema são os trabalhos manuais na floresta, extremamente pesados. Já nem é uma questão de dinheiro, há mesmo dificuldade em recrutar pessoas”, assegura Manuel Luís, da empresa Florestas Sustentáveis, adiantando que, entre outubro e junho deste ano, reforçou a equipa com 18 trabalhadores sazonais vindos do estrangeiro. […]

Continue a ler este artigo no Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior Portugueses são dos europeus mais preocupados com o impacto ambiental daquilo que comem
Próximo Empresas do setor florestal têm falta de mão de obra. “Não é uma questão de dinheiro, há dificuldades em recrutar pessoas”

Artigos relacionados

LIVE

Live: Falar Actual com Rita Barradas, gestora do PDR2020

A AJAP – Associação dos Jovens Agricultores de Portugal em resposta aos grandes desafios nacionais e na senda da transição digital e climática, prossegue com o espaço de reflexão […]

Últimas

Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural alerta para emails fraudulentos

A DGADR — Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural alerta: estão a ser enviados emails fraudulentos em seu nome.Não forneça os seus dados. […]

Últimas

Castanheiro: uma cultura milenar e marcante nas regiões de montanha

Nas palavras de Aquilino Ribeiro, o castanheiro “é o derradeiro gigante da nossa flora”, o “rei da vegetação lusitana”. Árvore de grande longevidade e com importância histórico-cultural em especial nas regiões montanhosas, o Castanheiro […]