Navigator lança projeto educacional “Floresta do Saber”

Navigator lança projeto educacional “Floresta do Saber”

A The Navigator Company, através do RAIZ – Instituto de Investigação da Floresta e Papel, apresenta hoje um novo projeto – “Floresta do Saber” – com o intuito de educar e sensibilizar os mais novos para assuntos relacionados com a Floresta, Sustentabilidade e, também, com a Bioeconomia Florestal. A iniciativa, que terá a duração de três anos, conta com o apoio do Programa Gulbenkian Desenvolvimento Sustentável da Fundação Calouste Gulbenkian e encontra-se totalmente alinhada com os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, o que mereceu o recente reconhecimento pela Comissão Nacional da Unesco como Clube Unesco.

O “Floresta do Saber” junta o conhecimento científico e tecnológico de ponta gerado pelo RAIZ (nos Polos do Eixo e da Herdade de Espirra) à natureza particular da Quinta de S. Francisco, área com património natural e florestal único a nível europeu e na qual irão decorrer várias das atividades do projeto, tal como no espaço laboratorial na Casa Jaime Magalhães Lima, onde decorrerão palestras e exposições. O projeto prevê, ainda, algumas atividades nos Viveiros Aliança da The Navigator Company, na Herdade de Espirra, em Pegões.

Com jogos digitais disponíveis na página web, “My Forest Kids”, animados pelas mascotes do projeto criadas por crianças dos 6 aos 9 anos, que remetem para o património natural existente na Quinta de S. Francisco e para o conceito de Bioeconomia Circular de base Florestal. O “Floresta do Saber” levará os mais novos (com as suas famílias e respetivas comunidades escolares) a integrar um conjunto de atividades essencialmente práticas, seja em campo, em laboratório ou promovendo a reflexão e capacidade de discussão no Think Tank sobre as diversas temáticas atuais e nacionais relacionadas com a Floresta e o Desenvolvimento Sustentável. Os participantes poderão, ainda, ter acesso a alguns dos novos produtos em desenvolvimento pelo RAIZ, através dos quais irão perceber que o desenvolvimento de bioprodutos e a criação de valor a partir da Floresta pode ter um impacto no futuro das suas vidas.

As Florestas, com destaque para as florestas plantadas, são fundamentais para a transição de uma economia linear e fóssil – baseada em recursos finitos, hostil para o clima, e por isso sem futuro – para uma bioeconomia circular sustentável, baseada em produtos florestais renováveis, recicláveis e biodegradáveis, favorável para a natureza e neutra para o clima.

O projeto funcionará, então, como um “laboratório da Floresta” dedicado a consciencializar as gerações futuras sobre os temas da Sustentabilidade e da Bioeconomia Florestal e, assim, dotá-las de conhecimento e ferramentas que irão servir de apoio na resposta às atuais problemáticas relacionadas com estes assuntos.

Estas atividades complementam os programas escolares sobre a temática da floresta, muitas vezes reduzida a pequenos apontamentos teóricos nos manuais”, explica Carlos Pascoal Neto, diretor-geral do RAIZ e responsável pela área que tutela o projeto. “O Floresta do Saber deve assegurar que os interesses das gerações futuras são devidamente auscultados e integrados nos processos de decisão atuais, através de propostas inovadoras”.

Usufruindo da investigação e desenvolvimento tecnológico por parte do RAIZ, o projeto surge enquanto uma iniciativa única em Portugal, que teve como inspiração as boas práticas do norte da Europa no que remete para a edução relacionada com a floresta, com o objetivo de promover práticas amigas do ambiente, apoiar a transição para modelos de produção e consumo mais sustentáveis, tais como a Economia Circular e Bioeconomia, bem como contribuir para a valorização da floresta como fonte renovável de produtos, energia, sendo também parte fundamental da solução para a redução das emissões de dióxido de carbono.

Todos os desenvolvimentos e informações sobre o “Floresta do Saber” podem ser acompanhados em www.florestadosaber.pt. As diversas atividades serão de oferta gratuita sujeitas a marcação prévia e confirmação.

Comente este artigo
Anterior Crise/Energia: Aumentos “brutais” podem acelerar abandono de vinhas no Douro
Próximo Calendário indicativo de pagamentos do Pedido Único – Continente 2021 – atualização de outubro de 2021

Artigos relacionados

Últimas

É preciso semear para colher! – Marisa Costa

Vivemos tempos desafiantes e de insegurança! Numa altura em que os portugueses começam a sentir os efeitos da pandemia nos seus rendimentos temos conhecimento que o país irá receber […]

Nacional

Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

O primeiro-ministro considerou hoje que se, no início do próximo ano, regressar a Odemira e já observar trabalho feito para “habitação condigna” de trabalhadores agrícolas, isso significará […]

Sugeridas

Governo alarga seguro vitícola de colheitas aos Açores e à Madeira

Os produtores de vinho das regiões autónomas dos Açores e da Madeira têm agora acesso ao seguro vitícola de colheitas.
A medida foi publicada em Diário da República esta semana e vai abranger mais de 2000 agricultores e cerca de 1500 hectares de plantação de vinhas nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira com o objetivo de “reduzir os custos relacionados com a contratação dos seguros vitícolas, […]