Movimento avança com processo-crime contra o Estado por falhas nos incêndios

Movimento avança com processo-crime contra o Estado por falhas nos incêndios

O Movimento Associativo de Apoio às Vítimas de Midões (MAAVIM) vai avançar com um processo-crime por alegadas falhas do Estado na propagação do incêndio de 15 de outubro de 2017 e na ajuda às populações.

“O MAAVIM está a instruir um processo para defesa de todos os lesados, contra a negligência do Estado e de quem falhou nos apoios às vítimas”, disse à agência Lusa o porta-voz do movimento.

Está em causa, segundo Nuno Tavares Pereira, o facto de “terem faltado as ajudas do Estado” e de os seus representantes “não terem atuado como deviam” para evitar e minimizar as consequências da tragédia.

No sábado, entre as 16h00 e as 20h00, o movimento, com sede em Midões, Tábua, inicia a recolha de “assinaturas para juntar ao processo”, ao longo de uma emissão realizada pela rádio Mundial, a partir do quartel dos Bombeiros de Vila Nova de Oliveirinha, naquele concelho.

Durante quatro horas, cidadãos lesados pelos fogos de 2017, incluindo agricultores e empresários, e responsáveis de diferentes organismos públicos participam naquele programa, transmitido por mais de 50 estações de rádio para Portugal e comunidades portuguesas em diferentes países, “estando prevista uma audiência de mais de um milhão de pessoas”, segundo um comunicado do MAAVIM.

“Exigimos que sejam identificados os culpados pela catástrofe ocorrida e que sejam responsabilizados”, defende.

Nos cerca de 30 municípios atingidos pelo grande incêndio, que eclodiu junto a Vilarinho, concelho da Lousã na madrugada de 15 de outubro de 2017, estão ainda “mais de mil pessoas sem habitação”, incluindo idosos, crianças e “cidadãos estrangeiros que residem há vários anos” em Portugal e que “estão abandonados” pelos poderes públicos, critica o movimento.

“Muitas famílias vivem ainda no dia de hoje em rulotes, tendas, garagens, casas emprestadas, casas improvisadas, sem qualquer esperança de virem a ter o seu lar”, salienta.

Alguns lesados já morreram sem “terem a sua habitação” e “infelizmente outros casos poderão acontecer, tendo em conta que muitos processos ainda não saíram da secretária”.

“Existem muitos danos psicológicos na população afetada, por terem ficado ao abandono e sem nada”, lamenta a organização.

Além dos elevados prejuízos materiais, ambientais e na economia, os fogos que lavraram na região Centro nos dias 15 e 16 de outubro de 2017 causaram a morte de 50 pessoas.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Open Português de Pastoreio regressa a Idanha
Próximo El pollo anota los precios más bajos de las tres últimas campañas

Artigos relacionados

Notícias cadeia alimentar

Europa quer reforço da transparência nos preços do agroalimentar

A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira em Bruxelas um conjunto de medidas que promovam uma maior transparência na forma como os preços dos produtos agroalimentares são determinados ao longo da cadeia de abastecimento alimentar. […]

Sugeridas

Cebola e batata-doce da Madeira passam a contar com selo DOP

O Governo Regional da Madeira criou um registo de produtores de batata-doce e cebola da Madeira, com os produtos a passarem a contar com o selo de Denominação de Origem Protegida (DOP), […]

Nacional

Vila Flor festeja o Mundo Rural com concursos pecuários e Seminário Agrícola – 22 de agosto – Vila Flor

O Município de Vila Flor vai dedicar o dia 22 de Agosto ao Mundo Rural. O evento arranca pelas 9 horas com os Concursos Pecuários da Ovelha Churra da Terra Quente e da Cabra Serrana. […]