Ministro não cumpre a lei aprovada pela assembleia da república

Ministro não cumpre a lei aprovada pela assembleia da república

O Ministro do Planeamento e das Infraestruturas insiste em dizer que têm Habitações de Outubro já reconstruídas e pagas pelo seu Ministério e ainda não as veio inaugurar. Porém, são muito poucas as Primeiras Habitações já prontas e entregues aos Proprietários, muitas outras há cuja recuperação foi “chumbada” à partida pelas exigências da CCDRCentro. De fora das listagens oficiais estão também diversas famílias às quais as autoridades não assinalaram com 1ª habitação.

E quanto às centenas de Habitações não Permanentes ardidas, nessas até deixaram de falar pelo que nem sequer se sabe bem a quem compete recuperá-las: se ao Governo através da CCDRC se às Câmaras Municipais. Já lá vão 8 meses depois dos Incêndios de Outubro e um ano depois dos de Junho, e o Ministro diz esta semana que irá avançar, sabe-se lá quando, com uma linha de crédito para as 2ªs habitações, quando a lei 114/2017 de 29 de Dezembro já aprovava o apoio às mesmas, não acatando a lei.

Sabemos também agora pela imprensa e denúncias que nos chegam das várias habitações executadas, dos incêndios de Junho que não eram 1ª habitação.

Ora isso é papel de quem fiscaliza e das autoridades, no entanto dos incêndios de Outubro são às centenas as habitações de ocupação permanente que foram rejeitadas e não estão para execução nos próximos meses.

 Até à data de hoje estão contratualizadas com a CCDR-C pouco mais de 300 habitações permanentes, o que é manifestamente pouco passados 8 meses dos incêndios de 15 e 16 de Outubro.

Foram perdidas mais de 2000 habitações permanentes e mais de 5000 habitações não-permanentes. São centenas as Famílias que perderam as suas Habitações e que agora vêem negados os apoios por isto ou aquilo, assim como são milhares os que ficaram sem as suas segundas habitações e habilitações agrícolas.

Tem de ser encontrada uma solução urgente, para as mais de 50 famílias que continuam a morar em “Caravanas” e “tendas”, por exemplo equipando o seu terreno com contentores/casa, para que as pessoas tenham dignidade.

A suspensão imediata dos PDM´s para regularizar todas as situações faz parte de uma solução, quer habitacional, quer florestal, quer agrícola, permitindo projetar e organizar os próximos anos, que serão conforme estudos de aquecimento do planeta.

Também os caminhos agrícolas, as acessibilidades, as infraestruturas e até vários equipamentos públicos ou privados de interesse histórico ou público, continuam destruídos, e o novo período de “Incêndios de Verão” está a um mês de começar…

Na Industria, o Ministério do Planeamento pagou até ao momento pouco mais de 10% do valor considerado elegível, e as empresas precisam de se reerguer, urgentemente, sob pena de serem extintas, como já algumas foram, com a tragédia dos Incêndios o que também prejudica o Mundo Rural com a perda de postos de trabalho e de actividades económicas.

Também continuamos preocupados com as falhas verificadas na Agricultura e Floresta, bem como na falta de apoio aos feridos dos incêndios.

Para isso, temos já submetida na Assembleia da República uma petição que irá abordar todas as falhas e injustiças para com os lesados dos Incêndios de Outubro.

Queremos que todos os lesados sejam tratados da mesma forma e com os mesmos direitos, sejam portugueses, estrangeiros, do litoral ou do interior.

Sabemos que o tratamento não foi igual e que a diferença está essencialmente nas datas dos incêndios. Se fossem antes de 1 de Outubro, sabemos que tudo seria diferente, mas nós não somos culpados, somos vítimas.

 

Midões, 15 de Junho de 2018

Nuno Pereira

Porta-Voz Maavim

 

Comente este artigo
Anterior Quinze Estados-membros exigem mais verbas para a PAC e tentam convencer os restantes
Próximo Medidas agro-ambientais para o Montado, um novo paradigma inspirado no programa do Burren na Irlanda

Artigos relacionados

Internacional

La almendra y el pistacho se consolidan como los grandes cultivos alternativos, pese al descenso de las cotizaciones

[Fonte: Agro Informacion]
Hablar de la almendra y el pistacho es hablar de futuro. Aunque la apuesta por estos cultivos viene de lejos, la gran sequía que azotó California hace dos años disparó su precio y sobre todo su imagen, consolidándose como alternativas con mucha rentabilidad en unos momentos en los que los precios en origen de la mayoría de los cultivos no pasaba, […]

Nacional

A FENAREG e o novo preço da água para Alqueva

Foi divulgada pelo Senhor Ministro da Agricultura a redução dos preços da água de Alqueva, decisão política que resulta do esforço conjunto com os Ministérios das Finanças e do Ambiente.
A FENAREG congratula-se com a redução dos preços aos regantes diretos de Alqueva, valores agora equiparados aos praticados noutros perímetros de rega do País. […]

Internacional

Pac 2020 La Confédération paysanne défend une politique agricole et alimentaire commune

Alors que la Commission européenne vient de lancer une consultation publique d’une durée de trois mois sur l’avenir de la politique agricole commune après 2020, la Confédération paysanne demande une Pac qui permettrait de garantir « un revenu aux paysans, […]