Ministro anuncia as quatro prioridades do Portugal 2030

Ministro anuncia as quatro prioridades do Portugal 2030

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, apresentou esta quinta-feira na Assembleia da República as prioridades que o Governo definiu para servirem de base para a preparação do desenvolvimento de Portugal na década que se seguirá ao período Portugal 2020.

O debate no plenário desta quinta-feira foi resultado de uma interpelação ao Governo feita pelo Partido Socialista (PS) sobre o planeamento do Portugal 2030, e Pedro Marques respondeu com as quatro prioridades do Governo, afirmando ainda que ao longo das próximas semanas o Governo vai começar a consultar os partidos políticos sobre a implantação e as funções de um Conselho Superior das Obras Públicas que o Executivo pretende trazer de volta.

Após louvar o trabalho do Governo com o programa Portugal 2020, Pedro Marques afirmou: “Abraçamos agora um desafio extremamente exigente: a definição estratégica do país que queremos ser em 2030, e de como a política pública pode cumprir essa ambição”. Os principais desafios, afirmou, que Portugal e a Europa enfrentam são a perda de competitividade relativamente a outras regiões mundiais, a diminuição demográfica, as alterações climáticas e a transição energética. Perante eles, o Governo delineou quatro “agendas temáticas” para responder aos constrangimentos mais significativos para Portugal.

  1. As pessoas. O ministro explicou que neste tema a ação terá de saber responder “aos desafios demográficos mas concretizando igualmente o forte investimento na melhoria das qualificações da população”.
  2. A inovação. Pedro Marques defendeu a transformação da economia por via da digitalização, em três dimensões principais: a investigação empresarial, com uma ligação crescente ao mundo científico; a inovação no capital humano, com investimento na formação profissional digital da mão de obra; e a inovação e qualificação das instituições do Estado.
  3. A sustentabilidade e valorização dos recursos endógenos. “Temos de valorizar e explorar as potencialidades do território”, afirmou o ministro, reforçando que a floresta deve ser protegida e explorada, e também o mar abre novas oportunidades. Aqui, Pedro Marques aproveita para referir a importância da descarbonização da economia.
  4. O desenvolvimento do território. Pedro Marques referiu a importância de ter um país internamente coeso, entre o Interior e o Litoral, o Continente e as Ilhas, e externamente preparado para ser competitivo.

Estas linhas gerais foram desenvolvidas após “a audição de um vasto conjunto de entidades”, acrescentou Pedro Marques na sua intervenção. “Havemos de convocar o melhor da sociedade portuguesa para refletir sobre” o tema, assinalou ainda.

Comente este artigo
Anterior Plano de Abertura de Candidaturas do PDR2020 para 2018
Próximo Assinatura de protocolos das linhas de crédito para apoio aos incêndios 2017

Artigos relacionados

Últimas

Secretário-geral da Confagri recebe prémio na área da economia social

Na VII edição do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio, o “Prémio de Honra Personalidade da Economia Social 2018”, na categoria “Honra à carreira”, […]

Comunicados

Governo salvaguarda o valor máximo elegível nas operações relativas à elaboração de estudos e projetos

Foi hoje publicada, em Diário da República, a Portaria n.º 47/2020, visando salvaguardar o valor máximo elegível nas operações relativas à elaboração […]

Últimas

Vaca, para que te quero? – João Adrião

Após milénios ao lado do Homem, mistificada por algumas culturas, divinizada por outras, a vaca está em maus lençóis. O bafo que aqueceu o […]