Ministra da Agricultura defende “novo modelo de desenvolvimento” para o setor

Ministra da Agricultura defende “novo modelo de desenvolvimento” para o setor

A ministra da Agricultura disse hoje, na Golegã, que quer, no seu mandato, “dar corpo a uma estratégia” que permita ao setor “avançar para um novo modelo de desenvolvimento” assente na sustentabilidade ambiental, económica e social.

Maria do Céu Albuquerque visitou hoje a Feira da Golegã (no distrito de Santarém), que alia a centenária Feira de S. Martinho aos certames dedicados ao cavalo, no que disse à Lusa ser mais um contacto com a realidade que passou a tutelar desde que tomou posse no final do mês passado.

A ministra salientou a importância da agricultura “para o desenvolvimento económico e social do país”, o seu peso na atividade económica e o “conjunto muito alargado de postos de trabalho” que assegura, definindo como “grande desafio” para o setor a preparação para as alterações climáticas e a definição de “um novo modelo, um novo paradigma de desenvolvimento”, que respeite em primeiro lugar os recursos”.

“A agricultura não é indiferente a esta questão, nomeadamente porque dois dos recursos mais importantes para a atividade, a água e o solo, têm que ser preservados e utilizados de forma cada vez mais eficiente”, declarou.

Para Céu Albuquerque, a criação de um “novo modelo de desenvolvimento, tendo por base a sustentabilidade” ambiental, económica e social “entronca com um conjunto de outras medidas”, como a digitalização da economia também na agricultura.

A “incorporação do conhecimento, a inovação e a tecnologia” são, segundo a ministra, outras medidas que ajudarão a uma melhor eficiência na gestão dos recursos e na produção.

Céu Albuquerque referiu a importância da criação de “novos produtos, produtos diferentes”, que permitam não só manter as exportações e os mercados que já existem, mas também atingir novos mercados.

“Um dos problemas que se vai colocar à Humanidade tem a ver com a alimentação, o desafio da agricultura é garantir a alimentação para todos e para todas, tendo por base um novo modelo alicerçado pela sustentabilidade”, afirmou.

Céu Albuquerque afirmou que, no âmbito das negociações da Política Agrícola Comum (PAC) para o período 2021-2027, é seu objetivo “trazer para Portugal todo o esforço de fundos comunitários” para a agricultura e o desenvolvimento rural, os dois pilares da PAC, visando alcançar “uma das metas desta legislatura, nomeadamente, em relação às questões demográficas, ao combate às alterações climáticas e também à digitalização da economia e ao combate das desigualdades”.

“A agricultura tem um papel muito importante para conseguirmos atingir estes objetivos”, disse.

Questionada sobre a passagem da tutela das florestas da Agricultura para o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, a ministra afirmou que vê “com naturalidade” esta “opção estratégica” do Governo, salientando a importância da floresta no sequestro de carbono, daí a ligação “às questões da sustentabilidade ambiental”, e também no ordenamento do território.

“Na agricultura continuaremos a planear e a coordenar aquilo que diz respeito aos apoios comunitários também para este setor, numa relação estreita com quem define as políticas para a floresta, que a partir de agora é o Ministério do Ambiente. Não me parece que seja um problema, antes pelo contrário, é mais uma oportunidade, porque, nomeadamente, da parte do Ambiente há a possibilidade de trazer outros fundos, outra forma de valorizar a floresta”, disse.

Sobre a situação de seca que se vive em algumas regiões do país, a ministra afirmou que o plano de contingência está ativo, podendo “a todo o tempo” ser revisto “em função de novas realidades”.

Denominada “capital do cavalo”, a Golegã recebe anualmente, por esta altura, criadores de cavalos, provas desportivas e atividades equestres, num certame marcado pela tradição, com o desfile incessante de cavaleiros e amazonas no largo do Arneiro, e pelo cheiro da castanha assada, atraindo milhares de visitantes à vila.

A XLIV Feira Nacional do Cavalo e a XXI Feira Internacional do Cavalo Lusitano, integradas na Feira de S. Martinho, iniciaram-se no passado dia 01 e decorrem até segunda-feira, dia de S. Martinho.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Matos Fernandes espera estudo sobre nova barragem até ao verão
Próximo Cooperativa dos Agricultores de Mangualde faz Encontro de Capacitação da Fileira dos Queijos

Artigos relacionados

Últimas

Novo centro de processamento de banana da Madeira vai custar 9,3 milhões de euros

O projeto de construção deste centro foi hoje oficialmente apresentado pelo secretário regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Humberto Vasconcelos, que afirmou que representa um investimento total de 9,350 milhões de euros, […]

Últimas

Greve de veterinários e inspetores sanitários “abateu” atividade dos matadouros

A greve dos veterinários e inspetores sanitários da Direção-Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV) registou uma adesão de 50%, provocando constrangimentos nos matadouros. […]

Nacional

Associação de Agricultores da Madeira recebe até nove mil euros para estudo de doença na batata-doce

[Fonte: O Jornal Económico]

A Associação de Agricultores da Madeira pode receber até 9,1 mil euros do Governo Regional para estudo de doença na bata-doce. […]