Matos Fernandes espera estudo sobre nova barragem até ao verão

Matos Fernandes espera estudo sobre nova barragem até ao verão

Estudo de impacto ambiental, projeto e modelo de financiamento já foram pedidos. O rio Ocreza (que nasce na Serra da Gardunha) “parece ser mais [o local] indicado”, disse o ministro do Ambiente.

Até ao próximo verão, o ministro do Ambiente e da Transição Energética espera ter concluído um estudo prévio para a construção de uma nova barragem em Portugal. Em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF (acesso livre), João Matos Fernandes explicou que o objetivo do empreendimento é controlar o caudal do rio Tejo. A melhor localização que vê é em Castelo Branco.

Há uma decisão concreta para estudar esta barragem e essa indicação já foi dada à Agência Portuguesa do Ambiente e chegaremos ao verão com um estudo prévio para essa barragem que tenha várias alternativas, que nos diga quanto custa mediante as alternativas, que nos diga como é que ela pode ser paga”, explicou Matos Fernandes.

O ministro clarificou que, pelo menos, parte da barragem deve ser rentável para rega e para produção de eletricidade através da colocação de painéis fotovoltaicos na superfície da barragem. O estudo da APA irá ainda indicar quais são os principais impactos ambientais.

Quanto à melhor localização para a barragem, referiu que deverá situar-se numa “sub-bacia hidrográfica com alguma capacidade de água” e apontou para o rio Ocreza (que nasce na Serra da Gardunha, no distrito de Castelo Branco) como o local que “parece ser mais indicado” por estar próximo da fronteira com Espanha, mas numa bacia hidrográfica do território português. “É isso que estamos a avaliar. Uma barragem deste tipo tem de ter um estudo de impacto ambiental, um projeto e um modelo de financiamento“, sublinhou o ministro.

A construção de uma nova barragem tem como objetivo compensar as flutuações de caudal, sendo que o rio Tejo tem atualmente menos 25% do caudal que tinha quando foi assinada a Convenção de Albufeira entre Portugal e Espanha, há mais de 20 anos. “Por muito bem que essa relação [entre os dois países] corra, é fundamental termos do nosso lado alguma capacidade de armazenamento de água para poder regularizar o Tejo português”, acrescentou Matos Fernandes.

Continue a ler este artigo no ECO.

Comente este artigo
Anterior Novo centro de processamento de banana da Madeira vai custar 9,3 milhões de euros
Próximo Ministra da Agricultura defende "novo modelo de desenvolvimento" para o setor

Artigos relacionados

Comunicados

Conselho de Ministros aprova 8 diplomas sobre florestas

Foi hoje, 21 de maio, aprovado em Conselho de Ministros um conjunto de diplomas sobre Floresta. […]

Nacional

Incêndios: Lei sobre terras sem dono conhecido deve ter operacionalização em 2024

Em vigor há dois anos no âmbito da reforma da floresta, a lei que determina o registo provisório a favor do Estado de terrenos sem dono conhecido deve ter operacionalização em 2024, após a conclusão do cadastro simplificado. […]

Últimas

Exportações: Os pequenos frutos são os maiores!

(Artigo publicado na edição de Fevereiro por Luís Medeiros Vieira, secretário de Estado da Agricultura e Alimentação)
Num sector que continua a revelar uma notável dinâmica exportadora, […]