Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e Governo insistem em acusar os Agricultores de serem eles os culpados pelos Incêndios

Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e Governo insistem em acusar os Agricultores de serem eles os culpados pelos Incêndios

De facto, o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e o Governo insistem em considerar os pequenos e médios Agricultores e Produtores Florestais como os principais causadores dos Incêndios Florestais.

Em boa verdade, trata-se de uma forma de tentarem desculpabilizar-se das responsabilidades próprias que, aliás, se estendem aos Governos anteriores ao actual.

Nessa mesma linha de desresponsabilização, o Governo também persiste na transferência das responsabilidades pela Floresta para as Autarquias, ou seja, mantém a tendência para passar os problemas “pesados” da Floresta – e dos Incêndios – para cima das Autarquias e dos Autarcas…

No contexto, constituem mais uma “declaração de guerra” aos pequenos e médios Proprietários Rurais, as declarações, muito recentes, do Presidente da “Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (Agif)”, criada pelo Governo, pois, segundo tais declarações, “os proprietários que não gerirem o terreno terão que o vender”.  Acontece que o mesmo senhor não esclarece se essa venda será compulsiva e por decreto… em que bases (preços) virá ela… e quem será o comprador privilegiado e com capacidade financeira para comprar os terrenos assim “proscritos”…

É contraproducente, e abusiva, a aplicação “cega” de Legislação que “cega” já nasceu…

Hoje, 15 de Março, termina o prazo, imposto por decreto, para os Proprietários limparem os espaços florestados nas chamadas “faixas de gestão de combustível”. E começa hoje, indo até 31 de Maio, o período da limpeza invasiva dessas faixas pelas Autarquias e também começa o período para as contra-ordenações e “multas” aos alegados “incumpridores”.

Falamos daquela Legislação desadequada que impõe várias condições para limpeza das tais “faixas de gestão de combustível” ou seja de limpeza de espaços florestados em 50 metros à volta de habitações, em 100 metros à volta de Povoações, em 10 metros das bermas laterais de Estradas e Linhas Férreas.

Ou seja, o Ministério da Agricultura e o Governo continuam a dar mostras de optarem pela via da coacção e das ameaças – com coimas e multas – sobre os Agricultores e Proprietários dessas parcelas, os quais estão descapitalizados porque a Madeira não se escoa a preços compensadores e a  limpeza e os desbastes  custam muito dinheiro…

CNA reafirma ainda que, insistir, como insiste o Governo, em impor limpezas drásticas e compulsivas neste período do ano – limpezas que, no caso dos desbastes de árvores, saem especialmente caras – é continuar a ignorar que, por exemplo, quando se chegar a Julho/Agosto, já as ervas e os matos, e até as ramagens, voltaram a crescer e a constituir massa combustível para Incêndios que por lá deflagrem…

Vítimas mortais durante as “queimadas” de matos e resíduos florestais atestam tragicamente da “violência”  dessa legislação e do medo que ela provoca !…

Desde o início de 2018 que tem havido vítimas mortais– cremos terem já sido noticiadas mais de 15 – em queimadas acesas sobretudo por idosos assustados com aquilo que lhes é dito nesta matéria das limpezas coercivas e sob ameaça de pesadas multas.

A quem se deve imputar, pois, a responsabilidade pelos trágicos acidentes do tipo e que se verificam desde o início deste processo?   Será que as Entidades Oficiais são imunes a esta tragédia ? Será que querem contribuir para que o número de vítimas nas queimadas se aproxime do número de vítimas mortais nos Fogos que, agora, dizem prevenir ?

Entretanto, continuam a produzir “resmas” de Legislação onde vai aparecer uma nova versão do “Plano Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios” a qual, espera-se, seja (muito) mais eficaz que a anterior…

Ministério da Agricultura, Governo e outros Órgãos de Soberania têm que enfrentar a necessidade do aumento do Preço da Madeira na Produção

Na verdade, mantém-se toda uma engrenagem, legislativa e prática, tendente para aumentar a confusão e as dificuldades dos pequenos e médios Produtores Florestais enquanto que os grandes interesses instalados, nomeadamente a grande Indústria da Madeira e da Cortiça, continuam sem ser beliscados nos seus imensos lucros e privilégios que aliás acumulam há décadas.

A grande indústria de transformação de Madeira, e de Cortiça, tem imposto uma política, em benefício próprio, de baixos Preços da Madeira e da Cortiça, na Produção.

Esse interesse estratégico da grande Indústria, com as Celuloses à cabeça, do – “quanto mais Madeira (e Cortiça) melhor… mas ao mais preço possível na Produção” – contando com a cumplicidade prática de sucessivos Governos e Governantes, tem determinado o (mau) estado geral a que chegou a Floresta Nacional e, também em consequência, contribui para os cada vez maiores e mais violentos Incêndios Florestais.

É pois indispensável que Governo e outros Órgãos de Soberania revelem mais vontade e mesmo mais coragem políticas para enfrentar este problema, tudo fazendo, inclusive a nível legislativo, para se aumentar o Preço da Madeira e da Cortiça na Produção.  Esta linha estratégica, a consagrar oficialmente, é indispensável para aportar interesse económico à exploração florestal e para, assim, estimular a “gestão activa da Floresta” no respeito pelos direitos e interesse dos pequenos e médios proprietários e produtores florestais.

E este objectivo apresenta-se tanto mais justo e possível porquanto, em 2018 e já este ano, têm sido enormes – mesmo brutais  – os lucros obtidos pela grande Indústria de Transformação de Madeira – e Madeira em verde ou ardida!

Coimbra, 15 de Março de 2019

A Direcção da CNA

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Continente é o primeiro retalhista português a assinar pacto internacional do plástico
Próximo A amêndoa no seu “solar” florido

Artigos relacionados

Últimas

Mundo Rural une-se em manifesto “Por uma alimentação consciente em Portugal”: Campanha de fake news gera indignação no setor agroalimentar

Organizações ligadas à Alimentação e ao Mundo Rural repudiam as inverdades sobre o agroalimentar e condenam a campanha de rumores sobre uma área de atividade que é indispensável […]

Últimas

XVII Feira Agropecuária Transfronteiriça de Vale do Poço vai acontecer este fim de semana

Vale do Poço acolhe nos dias 13, 14 e 15 de setembro a décima sétima edição da Feira Agropecuária Transfronteiriça, que apresenta um cartaz repleto de atividades. […]

Nacional

Previsões INE: tomate para indústria regista produtividade de 95 toneladas por hectare

As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 30 de Setembro, apontam para um considerável aumento na produção de tomate para a indústria, […]