Metade do tráfico de seres humanos em Portugal teve como destino o Alentejo

Metade do tráfico de seres humanos em Portugal teve como destino o Alentejo

Houve 775 vítimas confirmadas de tráfico de seres humanos em Portugal, entre 2008 e 2019. A maioria destas pessoas foi vítima de exploração laboral na agricultura.

“Msline”, azeitona em romeno, mas também em várias línguas eslavas: o nome dado pelas autoridades a uma das grandes operações realizadas no distrito de Beja, entre 2018 e 2019, é um exemplo simbólico do destino e da função para a qual são traficadas muitas destas pessoas – a agricultura intensiva no Alentejo, com os olivais como uma das áreas que mais utiliza esta mão-de-obra ilegal. Na leitura do último boletim do Observatório de Tráfico de Seres Humanos (OTSH), que atualiza os dados para o período de 2008 até 2019, Rita Penedo, a responsável deste organismo, sublinha à rong>TSF que “ao nível do território de exploração, a NUT II Alentejo [que incluiu o Ribatejo] tem 51% das vítimas confirmadas em território nacional. Destas, 99% foram confirmadas em tráfico laboral.”

Fazendo ‘zoom’ à metade sul do país, é possível concluir, que

Continue a ler este artigo na TSF.

Comente este artigo
Anterior Boletim Técnico de Requisitos de Inspeção de Equipamentos de aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos
Próximo PCP/Alentejo critica "vil exploração" de imigrantes em Odemira e na região

Artigos relacionados

Últimas

Setor da Suinicultura cresce no mercado português e nas exportações

Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores (FPAS) faz um balanço da atividade da Suinicultura portuguesa em 2020 e revela um aumento no mercado das exportações e na produção […]

Dossiers

La reactivación de la demanda eleva los precios de los corderos pequeños

Esta semana predominaron las repeticiones en las cotizaciones de los corderos a excepción de los repuntes que se anotaron en los animales de menos peso en algunas lonjas y mercados nacionales, […]

Ofertas

Oferta de emprego – Investigador – Engenheiro Florestal – Lisboa

A investigação tratará de macroecologia e ecologia de comunidades animais, análise espacial e tratamento estatístico univariado e multivariado, nomeadamente aplicado a modelos de distribuição de espécies. […]