Menu escolar sem carne gera polémica em Lyon

Menu escolar sem carne gera polémica em Lyon

As escolas de Lyon deixaram de servir carne. A decisão tomada pelo presidente da Câmara tem como objetivo “garantir um serviço tranquilo na hora do almoço durante o distanciamento social imposto pela crise da covid-19”, esclareceu Gregory Doucet, do partido ecologista “Verdes”.

Vários políticos franceses consideram esta medida prejudicial para a saúde das crianças e um “insulto” a quem produz estes alimentos. O governo não viu a decisão com bons olhos e a polémica instalou-se. O ministro da Agricultura, Julien Denormandie, pediu para “parar de se colocar ideologias nos pratos das crianças” e acrescentou: “vamos apenas dar-lhes o que eles precisam para crescer bem e a carne faz parte disso”.

Já o ministro do Interior, Gerald Darmanin, foi mais longe e afirmou que esta decisão é um “insulto inaceitável” aos agricultores e talhantes franceses. O ministro disse também que a política dos “Verdes” é “elitista” e “exclui as classes populares”, uma vez que “muitas crianças só comem carne na cantina da escola”, rematou Gerald Darmanin.

Descontentes com esta situação, com tratores e algumas vacas, dezenas de criadores de gado e agricultores reuniram-se, segunda-feira, em frente à Câmara de Lyon para protestar contra esta medida.

Para responder às críticas, a Ministra da Transição Ecológica, Barbara Pompili, lamentou o “debate pré-histórico” com “clichês banais” sobre o alegado desequilíbrio da alimentação vegetariana”. Apesar de a carne estar excluída dos pratos, o menu contém alimentos de origem animal, como ovos e peixe, e é indicado nutricionalmente para todas as crianças, segundo o presidente da Câmara de Lyon.

A medida é temporária e vai durar até o início das férias da Semana Santa.

Esta não é a primeira vez que uma decisão de um político do partido ecologista gera polémica. No ano passado, o presidente da Câmara de Bordeaux, Pierre Hurmic, decidiu não colocar a tradicional árvore de Natal no centro da cidade, como uma medida da sua agenda a favor do ambiente, afirmando que “não iria ter árvores mortas nas ruas”.

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior Projeto europeu combate contrafação de azeite
Próximo Trigo tem calcanhar de Aquiles genético para a ferrugem

Artigos relacionados

Eventos

Webinar Climate Talk: Water footprint – water usage in wines and vines – 14 de outubro

Esta Climate Talk abordará a pegada hídrica nos vinhos e tentará identificar os principais desafios sobre o uso da água e os impactos das alterações do clima na sua disponibilidade. Nesta conversa, […]

Últimas

Incêndios: Mais de 2.300 operacionais e 24 meios aéreos no combate aos fogos

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) registava, às 17:50, um total de 63 incêndios que lavram sobretudo no Centro e Norte do país no país, […]

Últimas

PAN assinala Dia Mundial do Ambiente a pedir proibição da colheita mecanizada de azeitonas à noite

André Silva, deputado do PAN: “O sector agrícola que tem de repensar várias práticas altamente lesivas para o ambiente”.

O PAN, […]