Menos 47% de incêndios e menos 38% de área ardida em 2020

Menos 47% de incêndios e menos 38% de área ardida em 2020

Terminou dia 30 de setembro o período de maior empenhamento operacional dos meios do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2020, naquele que foi o terceiro ano consecutivo com resultados abaixo da média da última década, em número de ignições e de área ardida.

Comparando os dados de 2020 com o histórico dos 10 anos anteriores, registaram-se menos 47% de incêndios rurais e menos 38% de área ardida. Esta é a primeira vez, desde 2009, em que se verificam três anos seguidos com redução destes indicadores relativos aos incêndios rurais.

Assim, e de acordo com o Relatório Provisório de Incêndios Rurais do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), este ano apresenta, até 30 de setembro, o 2.º valor mais reduzido em número de incêndios e o 5.º valor mais reduzido de área ardida, desde 2010.

No total, registaram-se, até 30 de setembro, 8.968 incêndios rurais, quando a média entre 2010 e 2019 foi de 16. 873 incêndios.

A área ardida, no mesmo período, foi de 64.972 hectares, quando a média da última década se situou nos 104.109 hectares.

Desde 1 de julho, estiveram empenhados no Nível IV do DECIR 11.825 operacionais, 2.749 equipas, 2.654 veículos e 60 meios aéreos.

Até ao dia 15 de outubro estará em vigor o Nível III, com 9.804 operacionais, 2.277 equipas, 2.154 veículos, mantendo-se os 60 meios aéreos. A Rede Nacional de Postos de Vigia manterá também os 230 postos ativos até 15 de outubro.

Recorde-se que, não obstante a definição dos vários níveis de empenhamento de meios ao longo do ano, a Diretiva que estabelece o DECIR prevê a flexibilidade operacional, podendo o dispositivo ser reforçado caso as condições meteorológicas o recomendem.

O impacto das alterações climáticas no fenómeno dos incêndios é, aliás, um dos aspetos que o Governo terá em conta na avaliação dos resultados de 2020. Assinala-se como positivo o facto de 86% dos incêndios terem uma área ardida inferior a 1 hectare. No entanto, este ano registaram-se 11 incêndios com área ardida superior a 1.000 hectares, o que leva à necessidade de reforçar a prioridade dada à reforma da floresta, à limpeza dos terrenos em redor das casas e das aldeias e à sensibilização das populações para a necessidade de evitarem comportamentos de risco como o uso da maquinaria ou a realização de queimas e queimadas em dias de risco de incêndio.

Embora nos últimos 3 anos não haja qualquer vítima mortal entre civis a lamentar, o Governo encara com preocupação os acontecimentos trágicos que levaram à morte de cinco bombeiros e de um piloto. Nesse sentido, será dada especial atenção às matérias relacionadas com a segurança dos operacionais que integram o dispositivo.

Comente este artigo
Anterior Nova empresa luso-brasileira lançada em Évora para "revolucionar" agrofloresta
Próximo Centro de Investigação de Montanha formalização de protocolo para Valorização dos Azeites da variedade Santulhana

Artigos relacionados

Últimas

Jovens Agricultores defendem “discriminação positiva” do interior

Associação dos Jovens Agricultores defende revisão da carga fiscal e dos gastos com a Segurança Social de forma a promover “discriminações […]

Newsletters

Disponível Newsletter da CAP Frutos & Hortícolas

A CAP – Confederação de Agricultores de Portugal publicou a Newsletter Frutos & Hortícolas de maio, dedicado produção 2019 e previsões 2020 na […]

Últimas

Onda de calor na Europa causa “pior incêndio dos últimos 20 anos” em Tarragona

Um incêndio que deflagrou na quarta-feira em Espanha está a atingir grandes proporções ao longo desta quinta-feira, tendo várias frentes e focos activos, […]