© Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens Melão, tomate e uva em risco de apodrecer. Máquinas foram obrigadas a parar

Melão, tomate e uva em risco de apodrecer. Máquinas foram obrigadas a parar

Os agricultores estão a contestar a proibição decretada pelo Governo, que impede todos os trabalhos rurais até às 24 horas de terça-feira, para reduzir o risco de incêndio. Os produtores alertam que já há produtos depreciáveis que estão em risco.

Melão, tomate e uva. São três dos produtos agrícolas que podem apodrecer se não forem colhidos a tempo. O alerta parte de José Eduardo Gonçalves, agricultor da zona de Elvas e dirigente associativo.

“Já começou a campanha da uva que é colhida à máquina, nomeadamente nos concelhos do Redondo e Vidigueira”, exemplifica, revelando que alguns agricultores já receberam ordem parar a atividade por parte das autoridades.

Situações semelhantes já aconteceram esta segunda-feira com a colheita mecânica do tomate no Ribatejo e com o melão na zona de Elvas. “São produtos que, se não se colhem hoje, amanhã estragam-se. São produtos depreciáveis que têm de ser colhidos a tempo”, insiste o dirigente, alertando que também os tratamentos fitossanitários que deviam estar a ser feitos nos pomares, olivais e amendoais estão suspensos.

“São atividades que precisam de água e que não podem parar”, insiste José Eduardo Gonçalves, enquanto recorre à previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que aponta para dias de calor, pelo menos, até final da semana – com temperaturas a rondar os 40 graus Celsius – para admitir ter receio que o Governo prolongue as restrições por mais dias.

“Isto é uma coisa impensável”, lamenta o agricultor. “É de pessoas que eu respeito, porque são ministros deste país, mas que não têm noção do que é agricultura”, sublinha. O dirigente assume que “a agricultura tem alguns equipamentos que podem causar incêndios e que devem estar proibidos, mas há outras atividades na agricultura que não podem parar”, ressalva.

As únicas exceções que habilitam o uso de máquinas nos campos agrícolas são o apoio ao combate a eventuais incêndios e fornecimento de comida aos animais. Porém, já não está previsto o uso de autotanques para transporte de água que garante o abeberamento do gado, alertando os produtores que esta será a prioridade face ao intenso calor.

“Nesta altura é mais importante os animais beberem água do que comerem”, conclui José Eduardo Gonçalves.

O artigo foi publicado originalmente em TSF.

Comente este artigo
Anterior Conta de Cultura do Milho 2020
Próximo Ministra da Agricultura diz que candidaturas ao PDR2020 se encontram em 'overbooking'

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios. A1 reaberta em Albergaria-a-Velha, fogo em Paus continua ativo

O principal incêndio na região de Aveiro, fustigada por vários fogos florestais desde quinta-feira, em especial nos concelhos de Águeda e Albergaria-a-Velha, […]

Últimas

CNA: Vinha, Vinho e Vitivinicultores em crise

Difícil situação reclama por apoios excepcionais da parte do Ministério da Agricultura, do Governo e da União Europeia. […]

Últimas

VIII Congresso de Estudos Rurais & VIII Encontro RuralRePort – 5 a 7 de dezembro – Ponte de Lima e Sistelo

A SPER – Sociedade Portuguesa de Estudos Rurais e a RuralRePort – Rede de História Rural em Português vão organizar entre 5 e 7 de dezembro o VIII Congresso de Estudos Rurais & […]