Meteo Trás os Montes - Portugal Mau Tempo: Viticultores de Vila Real dizem que granizo comprometeu vindimas

Mau Tempo: Viticultores de Vila Real dizem que granizo comprometeu vindimas

Viticultores e autarcas das freguesias de Abaças e Guiães, no concelho de Vila Real, descreveram hoje um “cenário de catástrofe” e queixaram-se de prejuízos “muito elevados” nestas vinhas do Douro devido à intensa queda de granizo.

“Temos aqui zonas onde as vindimas estão feitas”, afirmou à agência Lusa o presidente da Junta de Freguesia de Abaças, Filipe Brigas.

Ao final da tarde de hoje e durante vários minutos caiu granizo com muita intensidade e descrito como sendo do tamanho de “nozes” ou de bolas de pingue-pongue no território de Vila Real, acompanhado de chuva intensa.

Em plena região demarcada do Douro, Filipe Brigas, falou numa “catástrofe” que atingiu as aldeias daquela zona do concelho de Vila Real onde a vinha e o vinho são a principal atividade económica.

Enquanto estava a prestar declarações à agência Lusa, o autarca estava já a caminho da sua vinha para aplicar um primeiro tratamento de cálcio para tentar salvar as videiras.

Para exemplificar a dimensão do granizo, Filipe Brigas referiu que as pedras lhe partiram “o vidro de um carro” e “amolgaram mais dois”.

Mais de duas horas depois ainda havia, referiu, “carreiras e carreiras cheias de granizo nas vinhas”.

“Nunca vi assim granizo tão grande na minha vida”, frisou.

Na freguesia vizinha de Guiães, também o presidente da junta, Paulo Correia, disse que “nunca tinha visto uma coisa assim” e referiu que o granizo e chuva provocaram consequências a nível das vinhas, também arrastaram pedras e terras para as estradas e inundações em algumas casas.

“Cerca de 80 a 90% das vinhas aqui da freguesia estão destruídas”, adiantou referindo que os viticultores foram para o terreno ao final da tarde avaliar os estragos e alguns derem início, de imediato, aos tratamentos.

O autarca antevê consequências a nível das vindimas e disse mesmo que, em “grande parte das vinhas” a vindimas ficou feita hoje.

“As pessoas vão fazer tratamentos para conservar a videira”, salientou.

Viticultor em Guiões e presidente da Associação de Agricultores Douro e Corgo, Fernando Borges, disse que as videiras ficaram “apenas com as varas” e perderam “as folhas e os cachos de uvas que já estavam formados”.

“Tenho quase 50 anos e nunca vi nada assim. A trovoada destruiu tudo. Foi muito grave”, afirmou à Lusa.

Para além dos estragos nas vinhas, este agricultor apontou ainda as consequências nas hortas e nas produções de batatas ou cebolas.

Fernando Borges planeia ir na terça-feira, “sem falta”, para o terreno aplicar os primeiros tratamentos para tentar “recuperar o pouco que ficou” e cicatrizar as videiras. Tem, no total, 20 hectares de vinha onde, até ao momento, já tinha aplicado seis tratamentos nas videiras, num investimento de cerca de 7.000 euros.

“E se calhar não vou ter uvas para fazer esse dinheiro”, salientou.

Após a queda de granizo, foram muitos os que partilharam fotografias nas redes sociais, bem como na página de Facebook “Meteo Trás-os-Montes”.

Direção Regional da Agricultura do Norte já está no terreno a avaliar prejuízos decorrentes da queda de granizo em Vila Real

Comente este artigo
Anterior Gin com maçã de Alcobaça dá vida a fruta feia
Próximo Instalação de estufas no litoral alentejano arrasa cinco charcos temporários mediterrânicos

Artigos relacionados

Últimas

Soja, óleo de palma e carne: o que se come na Europa destrói florestas e savanas

Relatório divulgado esta quarta-feira mostra que União Europeia foi, em 2017, responsável por 16% da desflorestação associada ao comércio internacional. Em Portugal, o consumo per […]

Comunicados

Bayer reforça compromisso de aumentar o consumo de frutas e vegetais

O compromisso de promover o aumento do consumo de frutas e vegetais é fulcral para a visão da Bayer sobre inovações do portefólio «Saúde para Todos, Fome […]

Nacional

CAP quer trabalhadores testados e autorizados a regressar às explorações em Odemira

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) defendeu hoje que os trabalhadores agrícolas do concelho de Odemira sejam testados e regressem às explorações onde a cerca […]